Junho 10, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
334 visualizações


Contribuição para o encontro no espaço anarquista Motim dos editores anarquistas de “Vetriolo”. Madrid, 27 de fevereiro de 2021

Gratidão aos camaradas pelo convite, lamentamos que mais camaradas não tenham podido vir. A causa desta presença reduzida são as restrições relacionadas às leis repressivas promulgadas pelos governos, sob o pretexto da pandemia. Entretanto, gostaríamos de voltar para novos confrontos o mais rápido possível.

Nas páginas de “Vetriolo”, definimos o clima repressivo na Itália e em geral em todo o Ocidente democrático como uma “nova virada autoritária”. Vamos tentar explicar melhor o significado desta definição.

Uma das razões que nos levou a buscar uma definição específica para o clima repressivo de nossa fase histórica é a insatisfação com as categorias clássicas do antifascismo. Alguns de nós não acreditam que haja de fato um perigo fascista hoje. É claro que há muitos fascistas e eles também são muito perigosos, mas alguns dos redatores não acreditam que haja um perigo histórico e político de regimes fascistas sendo estabelecidos no Ocidente. Na verdade, pensamos que o fascismo foi uma resposta do Estado ao perigo revolucionário. Como hoje não há perigo de revolução social, infelizmente, também não acreditamos que o Estado liberal se tornará um Estado fascista.

Nem todos os camaradas da equipe editorial concordam com esta dedução. No entanto, todos eles estão convencidos da inadequação das categorias clássicas com as quais o fascismo foi abordado no século passado. Por exemplo, a resposta tradicional ao fascismo tomou a forma do chamado “frentismo”. Na Espanha conhecemos o caso clássico deste “frentismo”: a Frente Popular. A Frente Popular é uma ampla aliança de todas aquelas forças que, por razões diversas e muitas vezes radicalmente divergentes, se opuseram ao avanço das forças de Franco. É, portanto, uma aliança na qual convergem forças autoritárias e antiautoritárias, forças burguesas e proletárias. Os horrores históricos da Frente Popular podem ser vistos no momento em que os anarquistas se tornaram ministros no governo republicano. É uma verdade histórica que a revolução social não foi derrotada por Franco, mas primeiramente pelas próprias forças da Frente Popular: o desarmamento das milícias, a restituição aos antigos proprietários ou a nacionalização de empresas autogeridas na Catalunha, a recusa de conceder a independência aos territórios coloniais no Marrocos, o assassinato de muitos anarquistas pelos comunistas, etc. As escolhas, as dos frentistas, que além de serem eticamente infames, foram contraproducentes para a luta armada contra o próprio fascismo. Na Itália, conhecemos um exemplo ainda pior de frentismo no CLN, o Comitê de Libertação Nacional. O CLN foi uma aliança tão ampla que uniu comunistas, socialistas, democratas cristãos e até monarquistas. Todos eles se uniram com o objetivo de expulsar os fascistas e os ocupantes alemães. Uma frente tão ampla a ponto de ter expressado, a princípio, mesmo uma antiga hierarquia fascista como Pietro Badoglio como presidente do Conselho dos territórios “libertados”.

Como acreditamos que o antifascismo carrega em seu DNA o germe do frentismo, preferimos não falar de um novo perigo fascista para a fase histórica que estamos vivendo, mas de uma nova forma de viragem autoritária. Isso significa que mesmo a resposta dos anarquistas, a única resposta revolucionária possível hoje, deve ser uma resposta antiautoritária de uma nova forma.

Esta nossa hipótese não se baseia apenas em eventos passados, mas se reflete também na dinâmica atual. Testemunhamos na última década uma luta pelo poder em todo o mundo entre as forças nacionalistas, os chamados soberanistas, da nova direita de Trump, Salvini, Bolsonaro, Orban, etc., e as forças liberalistas, as forças da globalização, encarnadas pelas elites pró-europeias, o BCE [Banco Central Europeu] e o Partido Democrata nos Estados Unidos. Ambas as forças no campo neste choque de poder são nossos inimigos. Ambas as facções da burguesia mundial são as portadoras da nova guinada autoritária. Concentrar-se unicamente na luta contra os direitistas correria o risco de nos tornar aliados objetivos dos liberalistas, da União Europeia, das multinacionais, da esquerda norte-americana. Vimos isso nos Estados Unidos, onde as lutas antifascistas e antissexistas finalmente se recuperaram para dar a vitória a Biden. Um novo presidente que ameaça ser muito mais agressivo que Trump na política externa (ele já ameaça a Rússia, a China e o Irã).

Os governos mudam, mas as políticas permanecem as mesmas. A nova guinada autoritária acelerou-se incrivelmente durante este último ano pandêmico. As leis liberticidas com o tempo livre dos indivíduos e ao mesmo tempo extremamente permissivas com a produção industrial têm sido a medida de todos os governos, de todas as cores políticas. O controle social tem passado por novas tecnologias, multas, terrorismo da mídia e obediência em massa. Só se pode sair de casa para ser explorado.

A situação na Itália é especialmente difícil. No nível da repressão em massa, tivemos o bloqueio mais difícil em todo o Ocidente. Enquanto 60 milhões de pessoas foram literalmente presas em prisão domiciliar por cerca de 10 semanas, a Confindustria [Confederação-Geral da Indústria da Itália] pressionou para deixar suas fábricas abertas, provocando o contágio e fazendo com que o resto da população continuasse com suas medidas restritivas.

As leis de repressão coletiva do ano passado acrescentaram à já severa legislação contrarrevolucionária. As leis especiais elaboradas no final dos anos 70 e 80 para combater a disseminação da luta armada nunca foram abolidas, mas têm sido progressivamente reforçadas nos últimos trinta anos.

Hoje, muitos anarquistas são submetidos à Vigilância Especial, uma medida policial que não passa sequer por um tribunal, o que impede o camarada em questão de realizar qualquer atividade pública, participar de manifestações, reunir-se com criminosos, sair de casa à noite ou mudar de cidade sem avisar previamente a própria polícia. Se essas medidas forem violadas, há o risco de prisão ou de uma prorrogação do período de Vigilância Especial.

Dezenas de anarquistas têm sido presos nos últimos anos graças ao artigo 270bis do Código Penal. Um artigo que ataca as “associações subversivas”, atacando assim o próprio fato de que se associar, independentemente do crime específico que você é acusado de cometer. A punição para 270bis é de até 15 anos de prisão, em regimes de detenção especiais (normalmente os presos políticos são trancados em seções AS2, mas ainda hoje na Itália há três presos comunistas trancados em 41b, a dura prisão da máfia). O artigo 270bis tem sido usado ao longo dos anos para atingir não apenas os acusados de ações diretas, mas também as redações dos jornais anarquistas, os blogs, todos aqueles que divulgam as denúncias, aqueles que se declararam semelhantes ao conteúdo ou práticas neles expressas, aqueles que organizaram atos de solidariedade ou aqueles que arrecadaram dinheiro para os julgamentos.

Queremos contar tudo isso sem nenhum tipo de vitimização. O Estado ataca, muitas vezes de forma aleatória, porque é atacado. Se houve uma força neste novo século que atacou o poder, especialmente na Europa e na América Latina, foi o anarquismo. Recentemente dois camaradas, Anna Beniamino e Alfredo Cospito, foram condenados a 16 anos e 6 meses e 20 anos respectivamente, em um julgamento máximo no qual a história de toda a Federação Anarquista Informal foi colocada no banco dos réus. A história da insurgência dos últimos 20 anos é reduzida pelas potências que se reduzem à história dos assuntos criminais de alguns poucos camaradas. Uma história que pretende ser enterrada, enterrando estes camaradas durante muitos anos na prisão.

Portanto, não vamos ficar parados. O Estado está se tornando cada vez mais autoritário à medida que o controle social do capital entra em crise. Deste ponto de vista, parece-nos que a atual pandemia global não representa nenhuma novidade qualitativa, mas sim um elemento de aceleração de um processo que vem sendo desenvolvido há algum tempo.

Assim, queremos destacar como esta nova virada autoritária, que afeta os anarquistas e agora afeta toda a sociedade em geral, continua hoje – na Itália e no mundo – sem uma modificação efetiva do envelope político democrático dos Estados. As constituições não foram suspensas, os parlamentos não foram fechados, os sindicatos não foram dissolvidos. Esta é uma peculiar novidade do novo regime autoritário do século XXI. Ao contrário de cem anos atrás, a atual virada autoritária ocorre sem golpes de Estado e sem “revoluções fascistas”. É no contexto da formalidade democrática, mesmo na Itália, no contexto de uma república parlamentar com governos geralmente fracos e de curta duração. Em resumo, o estado atual é tão refinado que é perfeitamente capaz de operar uma suspensão efetiva das “liberdades” de seus súditos, sem prejudicar ao menos sua estrutura democrática formal, mesmo preservando suas crises e grilhões ministeriais.

Devemos, portanto, evitar cair na armadilha de uma dinâmica defensiva de mera resistência. Não há necessidade de resistir ao avanço de um regime, não há necessidade de formar uma frente comum com os democratas, os liberais, a esquerda. Ao contrário, há a necessidade de declarar falência a organização social baseada na autoridade do Estado e na propriedade do capital. Cabe a nós atacar uma sociedade podre, uma sociedade que agora é efetivamente mantida viva nos “cuidados intensivos”. Corte os fios, puxe o plugue. E respire novamente.

Fonte: https://malacoda.noblogs.org/post/2021/06/04/su-la-testa-la-svolta-autoritaria-di-nuova-forma-e-la-repressione-anti-anarchica-in-italia/

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Sobre o curso d’água,
Perseguindo sua sombra,
Desliza a libélula.

Chiyo-jo




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org