Julho 14, 2021
Do Reporter Popular
267 visualizações


Uma palavrinha sobre custo de vida e literatura em Carolina Maria de Jesus e Lima Barreto

Patrícia Acs – professora e militante do Coletivo Mulheres Resistem MT

Talvez cause surpresa ver Lima Barreto e Carolina Maria de Jesus lado a lado em um mesmo texto. Afinal, os dois estão separados por tempo, espaço, gênero, condição financeira, estilo de escrita… Escritores negros, por muito tempo secundarizados ou mesmo apagados, ambos viveram e manifestaram uma compreensão aguçada das dificuldades em uma sociedade estruturalmente racista; ambos colocaram em suas páginas a denúncia das condições sociais precárias vivenciadas pelo povo pobre há séculos no Brasil. Entre os temas que o escritor e a escritora abordaram em seus textos, está o custo de vida.

Em seu livro “Quarto de despejo”, Carolina Maria de Jesus registra na data de 15 de julho de 1955: “Atualmente somos escravos do custo de vida”. Nascida em 1915, Minas Gerais, a escritora viveu por alguns anos na favela do Canindé, São Paulo. A favela está registrada, principalmente, em “Quarto de despejo”, que, apresentando a forma de diário, revela o dia a dia de dificuldades e carestia vivido pelos “favelados” – termo que a própria escritora utiliza no livro. A fome é a constante de todos dias no seu diário, pois, a cada dia, Carolina precisa matar um leão para alimentar os filhos. Contudo, “Quarto de despejo” não é apenas o registro, é, também, a reflexão social sobre as causas de tanta penúria humana. E é por isso que Carolina aponta, em diversos momentos, para o custo de vida, as relações capitalistas em torno da questão e a responsabilidade dos governantes. Vejamos mais alguns trechos de “Quarto de despejo”:

“É assim que fazem esses comerciantes insaciaveis. Ficam esperando os preços subir na ganancia de ganhar mais. E quando apodrece jogam fora para os corvos e os infelizes favelados.”

“Para mim o mundo em vez de evoluir está retornando a primitividade. Quem não conhece a fome há de dizer: “Quem escreve isto é louco”. Mas quem passa fome há de dizer:

– Muito bem, Carolina. Os gêneros alimentícios deve ser ao alcance de todos.

Como é horrível ver um filho comer e perguntar: “Tem mais?” Esta palavra “tem mais” fica oscilando dentro do cérebro de uma mãe que olha as panela e não tem mais.”

 “Ouvia as mulheres lamentando com lágrimas nos olhos que não mais aguenta o custo de vida.”

Ao falar sobre o custo de vida, Carolina Maria de Jesus nos mostra, ainda, como ele afeta diretamente a vida das mulheres. Em determinado momento de seu diário, a escritora fala: “Como é pungente a condição de mulher sozinha”. Esse é um dado importante! Ao ler o diário da escritora, temos contato com essa perspectiva aguçada que desnuda as condições mais penosas da vida das mulheres pobres e negras.

Como quem vive a precarização da vida, mas não sem se revoltar e compreender o que ocorre socialmente, Carolina coloca o dedo na ferida e reage em sua escrita: “Começo a revoltar. E a minha revolta é justa”. A escritora realiza no diário uma manifestação de sua revolta, fazendo da escrita seu ato de resistência. Nisso, reivindicou da literatura aquilo que Antonio Candido compreendia ao dizer que a “literatura pode ser um instrumento consciente de desmascaramento, pelo fato de focalizar as situações de restrição de direitos, ou de negação deles, como a miséria, a servidão, a mutilação espiritual” (citação do texto “O direito à literatura”). Dessa forma, Carolina exerce o seu direito à literatura, apesar de todos os pesares de uma vida marcada pela dificuldade do acesso à escrita. A escritora faleceu em 14 de agosto de 1977. Viveu e escreveu e teve clareza de muitas coisas. Por isso, em entrevista, não deixou de disparar: “Não é preciso ser letrado para compreender que o custo de vida está nos oprimindo”.

Alguns anos antes, Lima Barreto, no Rio de Janeiro, também escrevia:

“As várias partes do nosso complicadíssimo governo se têm movido para estudar e debelar as causas da crescente carestia dos gêneros de primeira necessidade à nossa vida. (…) Entretanto, a vida continua a encarecer e as providências não aparecem.

Não há necessidade de ser muito enfronhado nos mistérios das patifarias comerciais e industriais, para ver logo qual a causa de semelhante encarecimento das utilidades primordiais à nossa existência.

Nunca o Brasil as produziu tanto e nunca elas foram tão caras. O plantador, o operário agrícola continua a ganhar o mesmo; mas o consumidor as está pagando pelo dobro. Quem ganha? O capitalista.” (Trecho da crônica “Carestia de vida” – 15/09/1917).

Lima Barreto tratou de vários temas que tocavam diretamente a vida do povo pobre e, assim como Carolina Maria de Jesus, não só registrou o aumento do custo de vida, como, também, refletiu sobre suas causas sociais. Nascido em 13 de maio de 1881 e falecido em 01 de novembro de 1922, Lima viveu pouco, mas a diversidade de seus textos aponta para as várias opressões que pesam sobre o povo pobre.

Décadas depois de Lima e Carolina, cá estamos nós sofrendo uma vez mais com o alto preço do feijão, arroz, carne, gás de cozinha… Por que tantas décadas depois ainda enfrentamos os mesmos problemas sociais? A resposta passa pelo que a escritora e o escritor já apontaram lá atrás. As causas do aumento do custo de vida são estruturais em nossa sociedade. Elas se encontram na exploração capitalista e no Estado que mantém a exploração.

Carolina escreve:

“Na cidade eu ouvia o povo reclamar contra a falta do feijão. Que os atacadistas estão sonegando o produto ao povo. E os preços atuais! Isto não é mundo para o pobre viver.”

“Quando um politico diz nos seus discursos que está ao lado do povo, que visa incluir-se na politica para melhorar nossas condições de vida pedindo o nosso voto prometendo congelar os preços, já está ciente que abordando este grave problema ele vence nas urnas. Depois divorcia-se do povo. Olha o povo com os olhos semi-cerrados. Com um orgulho que fere a nossa sensibilidade.”

“De quatro em quatro anos muda-se os politicos e não soluciona a fome.”

“Mas o povo não está interessado nas eleições, que é o cavalo de Troia que aparece de quatro em quatro anos.”  (Todos os trechos citados são de “Quarto de despejo”)

Lima escreve:

“O que parece atualmente é que o governo, seja municipal, seja federal, é impotente para resolver a carestia de vida” (crônica “Variações” – 14/01/1922)

“é doloroso, dizia, ver acabar tudo isto nas mãos de um tipo alvar, idiota, ignorante, cúpido e cínico, como Zé Bezerra, para, com o trabalho de tantas gerações e a meditação de tantos sábios, trabalho e meditação que estão nas máquinas de suas usinas e nos processos do fabrico, esfomear um país e rir-se de sua miséria.

Nós sabemos por que ele ri-se; é porque conta com a força armada para apoiar o seu saque legal.” (Crônica “Carestia de vida” – 15/09/1917)

Tanto Lima Barreto quanto Carolina Maria de Jesus indicaram a responsabilidade do capitalismo e dos governantes.

A literatura dos dois revelou a desigualdade social, expressou a indignação e revolta e constituiu uma “escrita de resistência”. Não apenas por trazer temas sociais, mas, sobretudo, porque a resistência se deu “como processo inerente à escrita” (entre aspas, citação das palavras do crítico literário Alfredo Bosi, no livro “Literatura e resistência”). Escreveram em meio às condições mais precárias de vida, enfrentando uma estrutura social racista e machista, se debatendo com seus próprios fantasmas e dos outros, observando e denunciando. Para ambos, a escrita foi um ato de resistência e, por isso, identificamos ideias e sentimentos que nos alimentam aqui no século XXI, que nos ajudam a compreender o avanço do capitalismo sobre nossos direitos, que nos inspiram a resistir.

Lima Barreto e Carolina Maria de Jesus nos lembram, ainda hoje, que o caminho não é o das urnas, que precisamos de uma transformação social real e concreta. Entra governo e sai governo, e o custo de vida continua refém dos interesses dos de cima, enquanto o povo paga o alto preço e sobrevive com baixos salários. Carolina e Lima nos lembram que é preciso que o povo se revolte e a “revolta é justa”!

*********

Textos citados:

* As citações de Carolina Maria de Jesus são todas da obra “Quarto de despejo”, editora Ática, ano de 1994; a entrevista citada está como anexo dessa mesma edição.

* A crônicas de Lima Barreto citadas estão no livro “Toda crônica”, editora Agir, ano de 2004 – volumes 1 e 2. Também podem ser acessadas pela internet.

* O texto “O direito à literatura”, de Antonio Candido, está em seu livro “Vários escritos”, editora Duas cidades/Ouro sobre azul, ano de 2004.

* O conceito de “escrita de resistência” do Alfredo Bosi está no seu livro “Literatura e resistência”, editora Companhia das letras, ano de 2002.




Fonte: Reporterpopular.com.br