258 visualizações


Durante décadas, crianças indígenas foram arrancadas dos braços de suas famílias e mandadas a internatos como a Escola Residencial Indígena Kamloops

Restos mortais de 215 crianças, algumas com apenas três anos de idade, foram encontrados enterrados em uma vala comum naquele que já foi o maior internato indígena do país. A descoberta, mais um indício de genocídio contra povos indígenas, ocorreu na última sexta-feira, 28/05, no local onde a Escola Residencial Indígena Kamloops funcionou de 1890 até o final dos anos 1970, na região da Columbia Britânica.

Desde o século XIX até a década de 1970, mais de 150.000 crianças das chamadas Primeiras Nações indígenas foram arrancadas dos braços de suas famílias e obrigadas a frequentar escolas cristãs financiadas pelo estado como parte de um programa para assimilá-las à sociedade canadense. Muitas delas nunca voltaram para casa.

Nesta sexta, Rosanne Casimir, chefe da nação indígena Tk’emlups te Secwepemc, anunciou que radares de penetração do solo descobriram os restos mortais. Segundo Casimir, mais corpos podem ser encontrados porque há mais áreas para revistar nas dependências da escola. Em comunicado, ela chamou a descoberta de uma “perda impensável que foi comentada, mas nunca documentada na Escola Residencial Indígena de Kamloops”.

Ao longo de décadas, crianças indígenas foram forçadas a se converter ao cristianismo e proibidas de falar em suas línguas nativas. Muitos foram espancados e abusados ​​verbalmente, e afirma-se que até 6.000 morreram. Em 2008, o governo canadense pediu desculpas no Parlamento e admitiu que o tratamento nas escolas era abusivo.

Os líderes indígenas citaram esse legado de abuso e isolamento como a causa raiz das taxas epidêmicas de alcoolismo e dependência de drogas nas reservas. Um relatório feito há mais de cinco anos por uma Comissão de Verdade e Reconciliação disse que pelo menos 3.200 crianças morreram em meio a abusos e negligência, e disse que havia relatos de pelo menos 51 mortes apenas na escola de Kamloops entre 1915 e 1963.

“Isso realmente ressurge a questão das escolas residenciais e as feridas desse legado de genocídio contra os povos indígenas”, disse Terry Teegee, chefe regional da Assembleia das Primeiras Nações para a Colômbia Britânica. O primeiro-ministro da Colúmbia Britânica, John Horgan, disse que ficou “horrorizado e com o coração partido” e chamou o caso de “uma tragédia de proporções inimagináveis”.

Fonte: agências de notícias

agência de notícias anarquistas-ana

Entre as antenas
E as casas todas iguais –
Quaresmeiras!

Paulo Franchetti




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org