Março 29, 2022
Do Agencia De Noticias Anarquistas
236 visualizações

“Que todo homem e mulher que ama a liberdade e o ideal anarquista, o propague com determinação, com teimosia, sem apreciar a zombaria, sem medir o perigo, sem levar em conta as consequências, e mãos à obra companheiros, e o futuro será o nosso ideal libertário”.

Em 21 de novembro de 1922, o anarquista Ricardo Flores Magón foi assassinado em uma cela prisional em Leavenworth, Kansas, EUA. Cem anos após seu assassinato, nas mãos de um capanga do governo dos EUA, a história oficial tenta adoçar a vida e a luta de Flores Magón e do Partido Liberal Mexicano, apresentando-o como um “precursor” da chamada “Revolução Mexicana” e do reformismo de Madero. Eles tentam fazer dele um jornalista e escritor liberal que lutou contra a ditadura porfirista. Eles tentam relegar seu caráter revolucionário e anarquista a fim de recuperar sua figura, fazer uso dela e ganhar capital político.

Ricardo Flores Magón se opunha a todo caudilhismo e culto à personalidade. Ele rejeitou fortemente o termo “Magonismo” para se referir aos anarquistas do PLM, alegando que era apenas um termo usado pelo governo para fazer as pessoas acreditarem que era apenas mais um movimento, como o Maderismo. O termo foi rejeitado não apenas por Ricardo Flores Magón, mas por todos os homens e mulheres que faziam parte do PLM: “nós anarquistas não temos ídolos”, disseram eles. Hoje, os que estão no poder tentam usar o termo “Magonismo” para confundir o povo mexicano e evitar chamar o PLM e Flores Magón do que eles eram: anarquistas. Esconder, para satisfazer seus interesses, aquilo pelo qual realmente lutaram e pelo qual deram suas vidas: a abolição da propriedade privada, da Igreja e de todos os tipos de Estado.

Ricardo Flores Magón era um anarquista consistente. Ele lutou toda sua vida contra o que chamou de trindade sombria: Autoridade, Capital e Clero. Por essa razão, seu corpo foi perseguido, exilado e encarcerado. Mas seu espírito, inabalável, tinha uma paixão tão imensa pela liberdade que nenhuma das torturas infligidas a ele podia apagar a chama quente que ardia em seu peito. Juntamente com homens e mulheres, ele promoveu a revolução social a partir de baixo. Uma revolução que não procurou colocar um novo tirano no poder, mas destruir os próprios fundamentos do sistema capitalista de dominação e exploração, para que a bandeira vermelha de Terra e Liberdade para todos pudesse voar alto e livre como o vento.

Diante do anúncio do 4T, declarando 2022 como o ano de Ricardo Flores Magón, nós, anarquistas individuais e coletivos, declaramos que a memória de Magón e do PLM não pode ser recuperada pelo grotesco espetáculo matinal de López Obrador. Pelo contrário, reafirmamos que a memória do PLM faz parte da história das lutas dos povos por sua emancipação e liberdade. É a história de Ricardo e Enrique Flores Magón, da Librado Rivera, Práxedis Guerrero, Anselmo Figueroa, de Mayo Fernando Palomares, de Yaqui Javier Huitimea, do Hilario Salas, do mítico Santanón, do Cándido Donato Padua, Blas Lara, Emilio Guerrero, do Tarahumara Camilo Jiménez, do incansável Nicolás Bernal, de Joe Hill, Jack Mosby e os Wobblies, das camaradas Margarita Ortega, María Talavera, Teresa Brousse, Concha Rivera, Francisca Mendoza, Jesús Rangel, do jornal Regeneración, dos bravos guerrilheiros do PLM, da greve de Rio Blanco, de Cananea, das insurreições de Acayucan, Las Vacas ou Palomas. É a história de milhares de mulheres e homens insurgentes que lutaram nas fileiras do PLM pela liberdade e a regeneração da comunidade.

É a memória dos trabalhadores rurais e urbanos que lutam para acabar com a exploração econômica, é a memória de nossos camaradas caídos como Tobi, Ruffo, Sacra e tantos outros que deram suas vidas por um mundo livre, dos homens e mulheres que procuram acabar com as fronteiras e as bandeiras. Dos que sonham em destruir as prisões, a polícia e os exércitos. É a memória daqueles de nós que são inimigos de cada Estado, de cada autoritarismo e de cada hierarquia.

Pelas razões acima, convidamos coletivos anarquistas, organizações e indivíduos para as Jornadas de Memória Anarquista, 100 anos após a morte de Ricardo Flores Magón, a partir de 7 de janeiro de 2022, o 115º aniversário da greve do Rio Blanco. Encerramento em 30 de dezembro de 2022, 112º aniversário da morte de Práxedis G. Guerrero.

Não é nossa intenção acrescentar mais uma data ao calendário dos santos da esquerda. Eles já têm muitos mártires e heróis. Nossa aspiração é resgatar a memória anarquista, conhecer, lembrar, estudar, divulgar e difundir nossa história, a fim de continuar a escrever as páginas das lutas libertárias através da ação. Para isso, convidamos todos os libertários, que têm orgulho de serem libertários, a assumirem a tarefa de organizar fóruns, palestras, apresentações de livros, círculos de estudo, exposições de arte, exibições de filmes, programas de rádio, comícios, reuniões e tudo o que permita que a memória, nossa memória, se torne uma arma libertária contra todos os tiranos e opressores. A luta pela memória é mais uma etapa da luta contra nossos opressores, estamos prontos para realizá-la.

Hoje como ontem, os exploradores estão se segurando pelo fogo e pelo sangue. Como todas as autoridades, o 4T usa a violência e a repressão para impor suas políticas e megaprojetos, e nunca hesitou em perseguir, assassinar ou prender aqueles que os desafiam. É o caso dos sete camaradas presos da Assembleia de Eloxochitlán de Flores Magón, na Serra Mazateca, terra natal de Ricardo, que conseguiram manter viva a autonomia da comunidade, resistindo com tenacidade e coragem aos contínuos ataques patrocinados pelos donos do dinheiro e do poder.

Assim, enquanto presta homenagem ao legado de Ricardo Flores Magón, a chamada quarta transformação continua a reforçar a opressão capitalista. Gerenciando-a, por um lado, com programas assistenciais e paliativos que nada fazem para reverter a miséria e o sofrimento de milhões de proletários que habitam esta região, e, por outro lado, um aumento alarmante da militarização de nossas comunidades. Tudo para impor megaprojetos como o mal chamado Trem Maia ou o Transístmico, aprofundando a dominação do território e a devastação da terra, em benefício da classe dominante.

Cem anos após a morte de Ricardo Flores Magón, nós anarquistas continuamos a agitar a bandeira negra da liberdade. Continuamos a nos opor a qualquer governo, não importa se ele se intitula de esquerda, para nós “a mudança do amo não é uma fonte de liberdade ou bem-estar”.

Imitemos o exemplo dos anarquistas do Partido Liberal Mexicano, vamos em direção à vida, levantando a bandeira da regeneração, buscando terra, pão e liberdade para todos. Rebeldia nós gritamos, enquanto estamos caindo como água.

Viva a Terra e a Liberdade!

Viva a anarquia!

Liberdade para os prisioneiros de Eloxochitlán de Flores Magón!

Janeiro de 2022

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

sol na varanda –
sombras ao entardecer
brincam de ciranda

Carlos Seabra



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org