Janeiro 30, 2022
Do Passa Palavra
290 visualizações

Por Sindicato dos trabalhadores e trabalhadoras da indústria de videogames

Este comunicado sindical não apresenta uma descrição fidedigna do cenário político francês, uma vez que o governo Macron nunca apresentou as vacinas como uma panaceia única, pretendendo sempre acompanhá-las de normas sanitárias como o uso de máscaras, o distanciamento social e os confinamentos. Além disso, a necessidade do certificado de vacinação não foi apresentada de nenhuma forma falaciosa pelo governo, mas como uma medida indispensável para evitar contágios, nomeadamente num país como a França, em que um grande número de pessoas resiste a vacinar-se. Apesar disso, o Passa Palavra optou por publicá-lo na integra devido à relevância política da luta pelo homeoffice ocorrendo na categoria dos programadores de videogames.

Em um comunicado anterior lembramos a todos a ameaça representada pelas escolhas políticas do governo francês e pela comunicação falaciosa em torno do “passaporte vacinal” e das vacinas contra a COVID-19, que não são a panacéia infalível que tentaram nos vender.

As discussões sobre a pandemia e a saúde pública estão praticamente ausentes de todos os meios de comunicação, que estão mais interessados em compreender o último pânico moral da extrema-direita e em fazer campanha pelos fascistas. Após quase dois anos numa situação pandêmica, surge uma nova variante, a epidemia piora a níveis sem precedentes, e o governo continua a prosseguir a sua política criminosa de inação. É como se a COVID-19 não tivesse já causado mais de 100 mil mortes na França, a maioria das quais poderia ter sido evitada através de medidas mais decididas em vez de se recorrer a soluções milagrosas para beneficiar a agenda capitalista em todas as fases.

A nova variante, de particular preocupação, a Ômicron, poderia tornar a situação ainda pior, como a Delta antes desta. É preciso lembrar que quanto maior for a circulação do vírus, mais provável é que estas mutações apareçam, matem mais pessoas e prolonguem a epidemia. As imperfeições das políticas de saúde pública favorecem diretamente o seu aparecimento. É por isso que é absolutamente necessário que se quebre as patentes de vacinas a fim de assegurar um acesso equitativo e global à vacinação e de parar a pandemia.

Neste preciso momento, muitas empresas de jogos de videogame procuram formalizar as suas políticas de trabalho remoto, fazendo o seu melhor para que não seja generalizado, e para garantir o controle sobre os seus empregados. Algumas inclusive obrigaram a um regresso completo ao escritório já há vários meses. Exigimos a implementação maciça do trabalho remoto na indústria dos jogos de videogame, para que todos os trabalhadores voluntários possam evitar arriscar a sua saúde no trabalho e durante seu deslocamento.

Esta exigência não é nem absurda nem complicada, uma vez que ondas anteriores mostraram que é viável. As empresas tinham implementado em massa um trabalho remoto, que continua a ser uma solução prática, eficiente e comprovada, após mais de um ano de pandemia. Os trabalhos de jogos de videogame são em geral bastante compatíveis com este tipo de atividade, portanto já não existem desculpas válidas para não reduzir a exposição dos trabalhadores, e dos seus familiares mais próximos, ao vírus – e mais importante, para não subestimar a contribuição dos trabalhadores da indústria para a circulação do vírus na população como um todo.

Se a presença física no escritório for realmente necessária, a aplicação de medidas sanitárias (desinfecção e ventilação das instalações, distanciamento físico, proteção através do uso de máscara durante todo o dia de trabalho) é indispensável e obrigatória. Deve também ser lembrado que existem dispositivos técnicos, que devem ser adotados para além de medidas individuais: Os sensores de CO2 podem detectar uma falta de ventilação (o que, evidentemente, exige que sejam tomadas as medidas necessárias em caso de ventilação insuficiente!), e os dispositivos de filtragem do ar (norma HEPA) são uma solução adequada para locais onde a ventilação não é possível. Estas não são medidas de conforto, mas condições necessárias para qualquer trabalho em espaços partilhados!

Para os trabalhadores, os benefícios da vacinação (redução significativa dos riscos para si próprio e para outros, e finalmente a contribuição para erradicação do vírus) são imensos e inegáveis mas, ao contrário das mentiras proferidas por alguns ministros, não oferece proteção de 100% e não impede completamente a infecção a si próprio ou a outros. A vacinação não é, portanto, uma solução individual, mas coletiva.

É importante que o maior número possível de nós tire proveito do acesso a uma dose de reforço (terceira para a maioria das pessoas) para se vacinar, não para seguir cegamente o governo, mas para a saúde de todos nós. Recordemos que a lei aprovada em Julho passado pelo Parlamento francês inclui, no seu artigo 17, o direito dos funcionários a irem e serem vacinados durante o horário de trabalho, sem qualquer penalização para o seu salário ou direitos de férias. Por conseguinte, já não há qualquer desculpa nessa frente, e seremos intransigentes com qualquer empresa que se oponha ao exercício deste direito.

Desde o início, a campanha de vacinação do governo tem favorecido desproporcionalmente os ricos, como todas as suas políticas. Vamos agir autonomamente para construir uma cobertura vacinal capaz de proteger todos os trabalhadores!

Para construir a solidariedade e a ajuda mútua necessárias para enfrentar a pandemia, continuemos juntos a:

  1. nos vacinar e procurar tomar doses de reforço;
  2. incentivar nossos familiares a se vacinarem;
  3. ajudar as pessoas que sofrem de forma discriminatória do acesso aos agendamentos de vacinação a obtê-los;
  4. recordar e exigir a aplicação rigorosa de medidas sanitárias na nossa vida cotidiana e no trabalho;
  5. faça isolamento social e testes sempre que possível, a qualquer sinal de sintomas ou sempre que surgir uma dúvida.

Todos os links remetem a artigos ou documentos na língua francesa. Este artigo foi traduzido e revisado da sua versão em inglês pelo Passa Palavra, e o original, publicado em novembro deste ano, pode ser visto aqui.




Fonte: Passapalavra.info