Janeiro 21, 2021
Do Passa Palavra
221 visualizações


Por Passa Palavra

A falência do sistema de saúde em Manaus, com a falta generalizada de oxigênio, parece ter levado a situação brasileira a um outro estágio. A grande comoção causada pelos vídeos em direto, por depoimentos de médicos, pela necessidade de transferência de bebês prematuros, levou a uma mobilização de diferentes agentes sociais para além da simples denúncia proclamatória do absurdo. Algumas celebridades começaram a fazer campanhas de doação de cilindros, que, embora irrisórias em termos de escala, dão a ideia de que é preciso fazer algo, uma vez que o governo não faz. Ao mesmo tempo, surgiu nas redes o chamado por um panelaço, tanto pelo oxigênio quanto pela exigência da saída de Bolsonaro. Inicialmente esse chamado circulou nos meios de esquerda, que têm optado por ações do tipo desde abril do ano passado. No entanto, a circulação desse chamado ganhou muito destaque quando foi endossada pelo apresentador e aspirante a político Luciano Huck.

Isso se insere em um contexto em que o presidente aparenta estar enfraquecido interna e externamente. As eleições municipais de 2020 demonstraram um fortalecimento dos partidos de centro e um crescimento da direita, e ao mesmo tempo uma diminuição do capital político do bolsonarismo, que elegeu apenas 15 de seus 61 candidatos apoiados publicamente. A derrota de Trump e a invasão do Capitólio foram interpretadas, por parte dos gestores brasileiros, como uma profecia do que poderá vir a acontecer no Brasil, embora não tenha gerado mais que declarações públicas que sinalizam um movimento institucional. O desgaste em relação ao parlamento, que teve idas e vindas durante 2020, se agravou por conta da interferência que Bolsonaro tenta fazer na sucessão da presidência da Câmara.

Ao contrário do desgaste institucional que já se vinha sentindo no fim da gestão Trump, no Brasil as eleições de 2022 ainda estão a uma distância considerável. O Planalto se encontrava numa sensação de calmaria. Calmaria esta que parece ter se esvaído, abrindo espaço à direita não bolsonarista. Haverá fôlego daí em diante?

* * *

Do ponto de vista das relações internacionais, o Brasil colocou-se deliberadamente numa situação de isolamento, o que deverá prejudicar interesses brasileiros no exterior, a atração de investimentos estrangeiros e as relações comerciais com grandes parceiros, nomeadamente a China e os Estados Unidos pós-Trump. Contra essa tendência isolacionista, há uma posição de integração por parte de alguns governadores, em destaque para João Dória (PSDB), que conseguiu sair na frente do Governo Federal na corrida pela vacinação ao firmar uma parceria com um laboratório chinês, ignorando o desfavorecimento geopolítico da China na questão. Outros políticos, como o próprio vice-presidente Mourão e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, destoam publicamente das posições de desprestígio às parcerias econômicas e dos ataques políticos à China pela ala bolsonarista.

Ainda no plano internacional, há de se considerar o processo de recrudescimento do número de contágios e internações hospitalares devido à covid-19, obrigando os governos a aumentar as medidas restritivas por tempo indeterminado. A atual velocidade da vacinação e de produção de vacinas impõe a perspectiva de mais um ano de medidas restritivas rígidas para a diminuição dos contágios pelo coronavírus, o que pode colocar a economia global em marcha lenta (ou mesmo em marcha à ré).

A situação se agrava pela clara degradação econômica em que vive o país. Com o fim do auxílio emergencial, milhões de pessoas devem voltar à extrema pobreza, ao passo que o fechamento da fábrica da Ford é lido como uma crise do setor industrial. Embora a não prorrogação do auxílio e a não concessão de subsídios sejam tidos como compromissos com o ajuste fiscal, os atores financeiros parecem começar a levar em conta a falta de compromisso do presidente com as reformas e a profunda instabilidade em que ele coloca o país. O problema estrutural da educação brasileira irá aumentar a dificuldade de requalificação profissional dos trabalhadores por conta da aceleração de tendências tecnológicas no mundo do trabalho. Ao mesmo tempo, o aumento do custo de vida piora ainda mais a situação da massa de trabalhadores autônomos das grandes cidades, o que pressiona novamente o poder público a criar formas de auxílio financeiro aos vulneráveis.

Nesse sentido, o argumento bolsonarista de que há de se escolher entre economia e vidas escancara suas contradições; o colapso dos sistemas de saúde e as mortes em massa inviabilizam uma retomada econômica plena, o que obriga os trabalhadores a diminuírem sua circulação e seguirem protocolos de higiene e cuidado. Em contrapartida, também se evidencia a contradição daqueles gestores que dizem pautar-se pela “ciência” e em defesa das “vidas”, na medida em que não se esforçaram por assegurar garantias econômicas de estabilidade para os trabalhadores durante o período de isolamento, o que deu espaço para uma agitação bolsonorista que mobilizou trabalhadores e patrões contra medidas restritivas, vide o caso de Búzios, Angra dos Reis, Manaus e Belo Horizonte. Ainda assim, mesmo para muitos apoiadores do presidente, a necessidade de combater o vírus é maior do que a de comprar suas brigas políticas, o que comicamente pode ser representado na comercialização de máscaras de proteção com o rosto de Bolsonaro estampado.

A crise do bolsonarismo coincide com os momentos de maior agravamento da epidemia no Brasil. O atual cenário é relativamente diferente da situação que enfrentávamos no primeiro semestre de 2020. No fim de maio daquele ano, com níveis mais controlados de ocupação de leitos de UTI nos estados, mas elevado número de mortes, cerca de metade dos brasileiros não conhecia alguém que tinha contraído o coronavírus, o que aparentemente tornava os discursos conspiratórios mais sedutores. Já numa nova pesquisa feita em dezembro esse percentual diminuiu para 21%, indicando que a experiência mais direta com a doença chegou ao cotidiano da grande maioria. Além disso, foi nos meses de março e abril que o Brasil registrou o pico dos índices de isolamento social, possivelmente alavancados pela ajuda financeira das famílias aos seus elos mais vulneráveis. Será viável uma nova reprodução deste cenário?

* * *

Esse conjunto de fatores ajuda a compreender o porquê de setores da direita, que tinham rompido formalmente com o presidente desde o início do ano passado e pouco se mobilizavam para que fosse desapossado do cargo, começarem a se mexer. Neste momento parecem sentir uma mudança de ares e passaram a defender abertamente uma mobilização em torno do impeachment, chamando tanto o panelaço quanto carreatas para derrubar o presidente. É cedo ainda para dizer se se mantém a capacidade de mobilização de grupos como MBL e Vem Pra Rua, mas o certo é que apostam, neste momento, que conseguem aproveitar a instabilidade política para voltar a ter um protagonismo dentro das forças de direita, ao mesmo tempo em que pretendem tomar a frente da esquerda enquanto elementos de oposição ao bolsonarismo.

Embora essas forças de direita apostem em se colocar como mais moderadas que Bolsonaro, uma hipótese a ser levantada é a de a extrema-direita no poder viver um processo semelhante e com sinais inversos ao que viveu a esquerda moderada em 2013. O bolsonarismo, que, assim como o petismo, pensa ter sob seu domínio a contestação e a manifestação de rua, poderia ser ultrassado por outros setores da extrema-direita nessas manifestações.

De que forma atuarão as forças de esquerda perante esse novo cenário? Serão capazes de construir uma oposição ao bolsonarismo que não seja apenas discursiva? Conseguirão mobilizar os trabalhadores de maneira independente da direita e dos patrões? Ou seguirão atreladas à direita e aos partidos da ordem?

A fotografia em destaque é da autoria de Cody Doherty, e a outra ilustração, de Rex Way.




Fonte: Passapalavra.info