Fevereiro 28, 2021
Do Anarkio
286 visualizações


O ano inteiro somos bombardeados por muita propaganda, principalmente que nos influenciam a comprar mais e comprar sempre. As pessoas publicitárias nos vêm como uma massa disforme de zumbis, mas que em vez uma necessidade desmesurada por cérebros, estão atrás das compras e compras. Nos grandes centros de vendas, a massa zumbi se arrasta murmurando:

-Promoção … Promoção…. Comprar… Comprarr…!!!

Esse mercado zumbi não tem freio, não tem limites. Está imerso nessa gana de consumir tudo e todas, sem nenhum respeito, ética ou moral. Não se saciam nunca, nunca param, se endividam sim, parar não.

O Estado em vez de controlar esse impeto consumista, pelo contrário o incentiva e apela até que se cada zumbi não consumir, o país pode ir mais para a crise, o que é uma grande ilusão. A crise tem nome e se chama capitalismo. Ele vive das crises, é sua motivação maior, porque as crises são fontes de grandes recursos emergenciais e desculpas para implementação de programas duros que afetam toda a sociedade. Mas a sociedade zumbificada, pouco entende e pouco importa, tendo o que consumir, é o que basta.

O fato que cada cidadã se torna quando consome sem controle, sem pensar, sem medir, sem criticar, uma ente desprovida de razão e se transforme uma criatura sem nenhum controle. Isso ocorre também nos períodos eleitorais, quando as cidadãs se transformam no sonho de todo partido e político, uma “massa”, uma massa de ovelhas, de gado, que segue para o abatedouro eletrônico das urnas e perdem toda a sua cidadania nesse processo .

Vejamos mais de perto essas consumistas compulsivas.

A qualquer pretexto esdruxulo correm para trocar seu relógio, telefone, sapato, televisão, computador, roupas, livros e qualquer quinquilharia que tenha e que não é mais da moda ou que tenha sido ultrapassada por um modelo mais novo, com algum recurso “exclusivo” e muito importante. A pessoa zumbi consumista começa a sentir uma mal estar visceral que só se é resolvido pela aquisição do “bem” imprescindível para sua vida. Passado um tempo, o ciclo recomeça.

Não, paciente leitora, não estamos fazendo apologia de uma vida simplória a lá comunidade “Amish” (grupos religiosos fechados que não aceitam nenhuma modernidade e isso inclui energia elétrica e afins). O que pretendemos aqui é chamar a atenção de como somos afetadas por uma produção em massa, nos deixa refém desse processo e que é importante romper. Ser consumista zumbi é ser oprimida e explorada, mantendo o sistema funcionando e se ele se mantiver na forma que está, teremos grandes problemas porque a massa de zumbis no mundo está em mais de 8 bilhões e tende a crescer. Não podemos negar isso e nem que boa parte de nossa gente, apesar de todo apelo consumista, não está bem ou tendo suas necessidades atendidas e estão com péssima qualidade de vida. Boa parte, por uma péssima alimentação industrializada e artificial, está com a saúde comprometida.

É um paradoxo total essa situação, pois a propaganda alude que estaremos bem e satisfeitos consumindo isso ou aquilo e isso não ocorre, levando-as a buscar sempre mais, mas que nunca sentimos saciadas.

Por isso antes de consumir algo na próxima vez, se pergunte se ainda conter um cérebro:

-Isso é para meu consumo ou para me consumir?

E não se assuste se sua face estiver com a aparência daqueles mortos-vivos dos filmes e seriados. O grave é que aquilo é ficção e maquiagem, mas sua aparência sem cérebro na vitrine não, uma gentileza das propagandas de consumo compulsivo 24h.

Share this…
Share on Facebook0Tweet about this on TwitterEmail this to someonePin on Pinterest0



Fonte: Anarkio.net