Abril 21, 2022
Do Passa Palavra
82 visualizações

Por João Bernardo

Este ensaio, em cinco partes, critica a perspectiva racista subjacente ao identitarismo étnico.

Nele demonstra-se a perplexidade com o desinteresse do movimento negro perante o racismo negro antinegro tão frequentemente perpetrado em África. Seria tal desinteresse fruto do actual processo de renovação das elites capitalistas, cujo critério é o de que quem estava em último lugar tem direito a ascender primeiro? Será possível aprendermos a partir do racismo do Terceiro Reich, que todos os raciocínios prosseguidos em termos raciais são delirantes e todas as formas práticas de racismo têm como único resultado a barbárie?

É neste quadro que é necessario analisar a propensão dos identitarismos, incluindo o movimento negro, à biologização da cultura.

Leia ou baixe o livro aqui:




Fonte: Passapalavra.info