Julho 21, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
358 visualizações


Por Fermín Pérez-Nievas | 17/07/2021

Faz um ano que faleceu Lucio Urtubia, “um pedreiro anarquista cascantino” que levou seus ideais até as últimas consequências. Amigos e companheiros prestaram hoje (17/07) uma calorosa homenagem em Cascante e destacaram seu legado revolucionário.

“Outros Lucios serão necessários no futuro”. Com esta frase do antigo senador Patxi Tuñón se poderia definir o legado deixado pelo anarquista cascantino Lucio Urtubia (1931-2020) um ano após a sua morte. Um tributo caloroso, simples e sincero foi prestado este sábado em Cascante a um anarquista que levou a sua utopia de um mundo igualitário e justo às suas últimas consequências. Como salientaram no decorrer do mesmo, ele tinha a “capacidade de ser não sectário e, ao mesmo tempo, de travar uma luta ideológica constante para tentar convencer todos de que o anarquismo era o único caminho para um mundo melhor e mais livre”.

Amigos da infância, amigos a quem abriu as portas da sua casa no bairro parisiense de Belleville, ex-prisioneiros e familiares de prisioneiros bascos a quem deu uma cama e um lugar para ir quando saíram da prisão, companheiros de luta, promotores de livros e documentários e, em suma, toda uma série de pessoas que conheciam, admiravam e amavam este cascantino participaram na homenagem no Romero onde ele plantou árvores quando jovem. Também a sua família, Anne, a sua filha Julliette e os seus netos que viram a sua vida e o seu legado se desdobrarem.

“Incansável, imprevisível, inatingível, irreverente, inacessível, indomável, inesquecível e inevitável” foram alguns dos adjetivos utilizados para descrever Lucio Urtubia, que chegou ao anarquismo encorajado pelo seu pai, um socialista, que antes de morrer na prisão lhe disse “Eu seria um anarquista hoje se houvesse uma nova vida”. Depois de fugir para França depois de ter sido descoberto contrabandeando equipamento militar enquanto fazia o seu serviço militar, conheceu Breton e Camus, mas a pessoa que realmente o influenciou a dedicar a sua vida ao anarquismo foi o catalão Quico Sabaté.

Para além da sua faceta revolucionária e anarquista, que se espalhou pelo mundo através de vários livros, HQ e um documentário (e que o levou a falsificar dólares e cheques bancários ao ponto de quase levar à falência o City Bank), a homenagem revelou facetas inéditas e anedotas do homem Lucio, embora ele nunca se desviasse de seu ideal político. “Roubar um banco não é roubar”, “a utopia é necessária, o que é desejado pode ser alcançado para se atingirem os objetivos”. Mais de um dos presentes definiu-o como “um homem de ação com ideais ambiciosos, a luta de classe revolucionária internacional para recuperar a dignidade do povo”, mas longe de ser um clichê, Lucio colocou em prática.

O advogado Pepe Uruñuela, Angelito (companheiro de infância do restaurante El Lechuguero), Marco Bellizzi eNekane Solana (que viveram cinco anos como parte da sua família com eles em Paris), Patxi Tuñón, José Mari Esparza (da editora Txalaparta onde foram publicados os livros que lhe trouxeram fama internacional), José Olaizola (CGT), José Antonio Antón (professor em Cascante), a Chula Potra e os autores do documentário sobre a sua vida, narraram momentos e anedotas que tinham como ponto em comum as suas fortes convicções e o seu grande coração que ele definia como “um pedreiro anarquista de Cascante”, uma terra que ele nunca renegou e à qual sempre que podia regressava. De fato, como explicou Uruñuela, a sua vida foi marcada por duas cidades: “Cascante e Paris… Sim, não olhe assim porque para quem não sabe, Cascante tem o título de cidade”.

O seu companheiro de infância, Angelito El Lechuguero (o restaurante) recordou como quando lhe perguntavam o que era a Democracia, respondia “A Democracia é El Lechuguero do meu povo, que trata todos da mesma maneira”, disse ele e descreveu o seu Lucio como “um pouco conflituoso e um pouco zangado, mas uma grande pessoa. Discutíamos muito sobre política, mas sempre a resolvíamos com um vinho”.

Aqueles que ficaram em sua casa com Anne, sua esposa, lembraram-se de como ele os tratava, trazendo-lhes baguetes e croissants de manhã, quando ele saía para o trabalho às 4 da manhã. Não surpreendentemente, um dos gestores da livraria Katakrak em Pamplona observou como se dirigiu a um grupo de jovens dizendo-lhes “para ser um anarquista é preciso trabalhar muito”, sobre uma bandeira anarquista que dizia “abaixo ao trabalho”.

Todo o dinheiro que ele recebeu de assaltar bancos ou roubá-los (ele parou de roubá-los por medo de causar dano a algum funcionário) foi dado aos movimentos libertários latino-americanos ou europeus. Neste sentido, Uruñuela apontou como “No final dos anos 70, Lucio abasteceu uma grande parte de La Ribera com multicopiadoras, de fato tenho certeza de que ainda há alguma que está enterrada em algum lugar em Tudela”. Uma tarefa que ele repetiu quando obteve algum dinheiro para os livros publicados pela Txalaparta, “era tudo para presos políticos”, eles explicaram e lembraram como ele costumava dizer que “a prisão não é nem mesmo para meu pior inimigo”.

Dois testemunhos foram especialmente emocionantes. Por um lado, o de dois prisioneiros bascos que deixaram a prisão em Paris e viveram na casa de Lucio e parentes de prisioneiros que tiveram que viajar por horas e encontraram refúgio em sua casa em Belleville (“ele procurou trabalho para mais de 15 refugiados para que pudéssemos estar aqui”, lembraram) e o de sua amiga íntima Esther Ferrer, que enviou uma gravação. Nela, mantém um diálogo imaginário com Lucio, a quem dizia “onde você está agora, deve haver muita gente, você se depara com Durruti? e Che? talvez você já tenha tentado doutriná-los. Você deve estar ficando entediado” e cantou duas canções que ele gostava, Marusiña e ¡Ay, Carmela!

O encontro terminou com a voz de Lucio (gravada) cantando uma canção anarquista da comuna francesa do século XIX e o público cantando “a las barricadas”. Seu último legado físico foi a criação do espaço Louis Michel, que existe em Paris desde 1997, para artistas “solidários que querem expor fora dos grilhões das galerias”.

Em setembro, Pamplona será palco de uma montagem de imagem e som que foi criada para manter viva a memória de Lucio Urtubia.

Fonte (mais fotos): https://www.noticiasdenavarra.com/navarra/tudela-y-ribera/2021/07/17/homenaje-anarquista-lucio-urtubia-cascante

Tradução > Argy

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/07/17/pais-basco-cascante-recebe-este-sabado-uma-homenagem-a-lucio-urtubia/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/07/05/pais-basco-friki-films-e-editorial-txalaparta-se-unem-para-levar-a-vida-do-anarquista-lucio-urtubia-a-televisao/

agência de notícias anarquistas-ana

sombra da luz
na lua e na rua
alvo do lago

Alice Ruiz




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org