Outubro 5, 2021
Do Facção Fictícia
291 visualizações


Duas autoridades indígenas zapatistas foram sequestradas por paramilitares a serviço do estado Mexicano em Chiapas. Após mobilizações internacionais, ambos foram libertos após 8 dias de cativeiro. O sequestro aconteceu dia 11 de setembro e foi organizado pelo grupo Organización Regional de Cafeticultores de Ocosingo (ORCAO) que defente os interesses de latifundiários na região e contam com a proteção estatal. Episódios semelhantes ocorreram em 2020 e em abril de 2021.

O levante e a organização popular autônoma segue sendo uma das maiores experiências revolucionárias de nosso tempo. Todo apoio e solidariedade a sua luta.

O texto abaixo traz uma análise da Radio Zapatista sobre o contexto e possíveis desdobramentos da escalada de tensão no território zapatista.

Viva EZLN! Viva Chiapas!

Movimentos sociais protestam frente ao Consulado Mexicano em São Paulo, 24 de setembro.

“PARE DE BRINCAR AGORA COM A VIDA, A LIBERDADE E OS BENS DOS CHIAPANECOS.”

Trecho do Comunicado do CCRI-CG do EZLN  de 19 de setembro de 2021.

Viena, 22 de setembro. A situação de violência em Chiapas continua e o EZLN alerta hoje para um estado “à beira da guerra civil”. Para entender o que está acontecendo em Chiapas, é preciso olhar as raízes e a sistematização da violência de vários ângulos. Este texto, não exaustivo, tenta dar uma visão geral do que está acontecendo no estado do sudeste mexicano, especificando algumas questões e conflitos.

Na última sexta-feira, 17 de setembro de 2021, em Viena, Áustria, cerca de 20 mulheres zapatistas e 30 homens da delegação aérea “La Extemporánea”, recém-chegados à cidade, reforçaram o contingente que se reuniu em frente à embaixada do México.

Forças de autodefesa do povo El Machete

Este ato de protesto inaugurou uma grande campanha para denunciar o paramilitarismo e a violência em Chiapas e exigir a aparição com vida de José Antonio Sánchez Juárez e Sebastián Núñez Pérez, membros zapatistas da Junta de Buen Gobierno (JBG) “Nuevo Amanecer en Resistencia y Rebeldía por la Vida y la Humanidad”da Caracol 10 “Floreciendo la Semilla Rebelde” localizada em Patria Nueva, perto de Ocosingo, Chiapas.

Os dois camaradas foram sequestrados em 11 de setembro por membros da Organização Regional de Cafeicultores de Ocosingo (ORCAO) – que tem uma longa história de violência paramilitar e impunidade na região – enquanto a delegação zapatista aerotransportada iniciava sua jornada. Segundo o comunicado do Comitê Indígena Revolucionário Clandestino-Comando Geral (CCRI-CG) do EZLN, foram liberados no dia 19 de setembro, graças à intervenção dos párocos de San Cristóbal de Las Casas e Oxchuc, pertencentes à Diocese de San Cristóbal.

Em frente ao prédio da diplomacia mexicana em Viena, a solidariedade internacional se manifestou com dezenas de ativistas de toda a Europa que denunciaram o governo do México por meio de microfone, faixas e faixas por sua resposta à reativação da violência contra-insurgente. A palavra em espanhol, alemão, grego, francês, português e galego, bem como o recente comunicado assinado por numerosas organizações, grupos e indivíduos na Europa culpam tanto o governo federal de Andrés Manuel López Obrador (AMLO) quanto o estado governo de Rutilio Escandón Cadenas, por sua cumplicidade com os ataques paramilitares perpetrados não só contra os camponeses maias zapatistas, mas também contra defensores dos direitos humanos e comunidades de Chiapas.

De acordo com a denúncia da Rede AJMAQ , assinada por organizações e grupos sociais de todo o mundo, neste mês de setembro os paramilitares de Chiapas se intensificam em ações criminais.

 “Esta escala de violência orquestrada a partir dos altos poderes do governo federal faz parte da iniciativa EZLN ‘Cruzando pela Vida, Capítulo Europa’. Iniciativa organizacional que busca expandir, de forma pacífica e criativa, a semente da resistência-rebelião para a humanidade e a Mãe Terra, ou seja; pela vida.”

Lembramos que a primeira delegação zapatista, o Esquadrão 421, partiu do México para a Europa de barco no dia 2 de maio. No dia 14 de setembro, é o Extemporâneo, uma delegação aérea do EZLN, que desembarcou nas terras da Slumil K’ajxemk’op / Tierra Insumisa (antiga Europa) e foi alcançado em 22 de setembro por uma delegação do Congresso Nacional Indígena (CNI).) E Frente dos Povos em Defesa da Terra e da Água-Morelos, Puebla, Tlaxcala (FPDTA-MPT) para ouvir e dialogar com as lutas de baixo e de esquerda. Desde 1º de janeiro de 2021, o EZLN divulgou sua Declaração pela Vida , assinada por centenas de grupos da outra Europa.

“Aqui estamos, e continuaremos aqui, até a apresentação dos companheiros vivos. Essa viagem já começou e ninguém vai impedi-la ”, disse um colega ativista em alemão e espanhol em frente ao prédio da diplomacia mexicana.

Quem é o grupo paramilitar que o EZLN denuncia?

A Rádio Zapatista, em ¨ A longa história de violência paramilitar e impunidade da ORCAO ¨, lembra que a Organização Regional dos Cafeicultores de Ocosingo, repetidamente denunciada pelas Juntas de Bom Governo como organização paramilitar, há mais de que ataca as comunidades zapatistas 20 anos com violência crescente e impunidade total.

Foi fundada em 1988 por 12 comunidades do município de Ocosingo, Chiapas, como uma organização legítima de luta que exigia melhores preços para o café e uma solução para o atraso agrário. Em pouco tempo, muitas outras comunidades aderiram. Durante anos, o ORCAO manteve laços com o Zapatismo. No entanto, eles foram rompidos no final da década de 1990, quando a organização, como tantas outras, cedeu à tentação de disputar o apoio do governo e cargos públicos em troca de favores. A ruptura se agravou com a chegada de Pablo Salazar ao governo de Chiapas em 2000. A ORCAO então abandonou a luta e se juntou ao governo, rompendo com o EZLN para ter acesso ao dinheiro público. A partir desse momento, os ataques ao EZLN tornaram-se cada vez mais frequentes e violentos.

Até agora, em 2020 e 2021, os ataques às bases de apoio zapatista, seus centros de autonomia e aos que apóiam o EZLN se multiplicaram:

  • Sequestro e violência contra membros do Congresso Nacional Indígena (CNI) (em cumplicidade com membros do grupo paramilitar Los Chinchulines, bem como membros do partido MORENA) após sua participação na Conferência em Defesa do Território e da Mãe Terra “Samir Somos Todos y Todos ”, convocado pelo EZLN no âmbito do Combo for Life em fevereiro de 2020.
  • Destruição de dois armazéns de milho e café pertencentes a bases de apoio zapatista, em agosto de 2020;
  • Sequestro do camarada Félix López Hernández, base de apoio zapatista, em novembro do mesmo ano;
  • Seqüestro de dois membros do Centro de Direitos Humanos Fray Bartolomé de Las Casas em abril deste ano, após denunciarem os ataques armados à comunidade Moisés Gandhi em janeiro do mesmo ano.

Em novembro de 2020, a Junta de Buen Gobierno Patria Nueva denunciou que a ORCAO recebeu apoio do governo para construir uma escola, mas o utilizou para comprar armas de alto calibre, com a presumível cumplicidade do atual governo federal. AMLO chamou sua estratégia de Quarta Transformação (4T), referindo-se à Independência do México (1810), as Leis da Reforma (1858-1861) e a Revolução Mexicana (1910-1917), como os três antecedentes da transformação no México.

ORCAO queima vinícola pertencente a bases de apoio zapatista em Cuxuljá

Qual é a situação em Chiapas?

Se o México é o “quintal” dos Estados Unidos, Chiapas é uma de suas entradas. A desestabilização voluntária da área, o crescimento da violência, a impunidade sistêmica, fornecem todos os argumentos necessários para que o governo federal continue militarizando o estado e desenvolvendo a contrainsurgência, protegendo a fronteira sul e entregando as terras tão necessárias para a implantação do megaprojetos.

Desde o seu lançamento em dezembro de 2000, Chiapas está na mira de um projeto mais amplo, originalmente conhecido como Plano Puebla-Pánama. Hoje, o governo AMLO e sua “Quarta Transformação” lançaram vários projetos planejados desde então: o corredor transoceânico e o erroneamente denominado Trem Maia.

No entanto, em sua última declaração “Chiapas à beira da guerra civil“, o CCRI-CG culpou Rutilio Escandón, governador de Chiapas, e Victoria Cecilia Flores Pérez, secretária de Estado de Chiapas. Para mais informações sobre alianças estratégicas e nós de poder, consulte o artigo de Luis Hernández Navarro, “ El infierno chiapaneco “.

Por que os zapatistas culpam os três níveis de governo?

Uma das estratégias do governo do quarto trimestre, em Chiapas como em todo o México, é recorrer a programas sociais que o que acabam fazendo é dividir e desestabilizar a comunidade. “Dividir para conquistar” foi, é e sempre será uma estratégia eficiente do Estado para acabar com a organização e a comunidade.

“Semeando Vida” é o nome ironicamente dado pelo governo a um desses programas federais de bem-estar. Propõe ao campesinato do país receber dinheiro para trabalhar suas terras e plantar monoculturas de milho, manga, palma africana, entre outras culturas que estão disponíveis para exportação para o exterior ou para as grandes cidades do território mexicano. Para entrar no programa estadual, deve-se verificar a propriedade individual da terra em uma área de pelo menos 2,5 hectares. Essa é a base do problema. Em um país onde os ejidos (isto é, as terras comunais) ainda são coletivizados, comumente sendo as terras de plantio, isso gera divisões no tecido social.

Nas terras zapatistas recuperadas, as Juntas de Bom Governo concordam em emprestar terras para o trabalho coletivo, mas não para interesses individuais manipulados pelo Estado mexicano. É então que a desavença, divisão e perseguição de grupos paramilitares (armados e financiados no passado e atualmente pelos governos federal, estadual e municipal) penetra nas comunidades zapatistas, povos indígenas e aqueles que cruzam seus planos de controle e controle.

No Planalto de Chiapas, região composta por 17 municípios com população indígena, principalmente tseltal e tsotsil, existe mais de um conflito entre povos que o governo alimentou e justificou com disputas territoriais.

Qual é a situação nas cidades de Los Altos de Chiapas?

 Aldama

 Muitos laços familiares, culturais, econômicos e espirituais foram estabelecidos entre Santa Magdalena (Aldama) e Santa Martha (Chenalhó). Nas principais festas das comunidades, dentro das tradições dos povos indígenas de Los Altos de Chiapas, costuma-se acompanhar o santo ou santo do povoado vizinho, neste caso: San Andrés Larráinzar, Santa Martha (Chenalhó) e Santa María Magdalena (Aldama) comemorou juntos pela proximidade e intercâmbio cultural.

Aqueles que agora fazem parte da organização dos 115 Comunardos Deslocados de Aldama, herdaram o cuidado, o trabalho e a proteção de suas terras e suas famílias de suas mães e pais, ouviram seus avós falarem sobre como conheceram suas avós lá em Santa Martha, ou o contrário.

Entre 1975 e 2000, os governos por sua vez realizaram uma importante reestruturação do setor agrário com base em reformas institucionais e políticas, o artigo 27 da Constituição Política foi modificado com a suposta ideia de melhorar as condições dos camponeses, os preços de mercado. para seus produtos, etc. O conflito “territorial” entre Aldama e Chenalhó remonta à reforma agrária dos anos 1970, quando o governo cedeu 60 hectares de terras dos ancestrais proprietários de Aldama (Magdalena) para o Santa Martha (Chenalhó). Acordos foram feitos ao longo dos anos para definir a propriedade sem resultados. Ao longo dos anos, isso levou à destruição das árvores frutíferas do terreno, à expulsão de famílias e ao incêndio de suas casas, além de constantes ataques.

“Agora, não só com palavras mas com balas, com munições, os paramilitares de Santa Martha querem tirar-nos a vida como povo de Aldama. Como prova, está o vídeo que os paramilitares publicaram nas redes sociais.”

– Fragmento de uma declaração das autoridades de Xuxche’n, Aldama dirigida à comunidade nacional e internacional.

Esse discurso se repete entre os moradores das duas comunidades, mas o inimigo permanece invisível aos olhos do Estado. Durante uma conferência matinal, o presidente do México descreveu o conflito como uma diferença entre pobres e pobres e pediu que se acalmassem.

A partir de 2017, o conflito territorial tornou-se uma guerra de gotejamento com um inimigo que todos vêem de longe e não se sabe quem ou o que tem como alvo; grupos de pessoas armadas vestidas de preto com provável treinamento paramilitar começaram a atirar em ambas as comunidades. Até o momento, esses grupos mataram pelo menos 20 moradores de Santa Marta e Aldama, além de um número crescente de feridos.

Em ambos os casos, mulheres e homens que vivem neste território exigem que o governo faça algo para parar estes ataques através dos meios de comunicação locais, nacionais e internacionais, divulgando os ataques constantes de que são vítimas diariamente, e mantendo contacto com organizações de direitos humanos. Enquanto o medo só aumenta à medida que não conseguem ir às suas parcelas de terra para trabalhar o milho, o feijão, a abóbora ou o café, as suas colheitas são perdidas. Ir trabalhar torna-se cada dia mais perigoso, a comida acaba e no entanto os programas sociais para o material de habitação ou o campo, assim como as t-shirts com as cores dos partidos políticos em campanha, continuam a chegar no meio de balas e sangue.

Há poucos dias, em setembro, Domingo Sántiz Jiménez, da cidade de Xuxch’en, foi assassinado por membros de um grupo armado paramilitar de Santa Martha, Chenalhó, com uma arma de alto calibre. Ele e sua família voltaram para a aldeia de caminhão. Eles tiveram que parar no caminho para esperar que o tiroteio parasse. Domingo, 33, recebeu um tiro no rosto.

Em fevereiro de 2019, o Oventik Good Governance Board havia decidido sobre os ataques contínuos.

Pantelhó

“Nossa luta não é política, mas pela vida, porque os narcotraficantes mataram mais de 200 pessoas e as autoridades os protegeram”.

– Depoimento de um dos moradores de Pantelhó durante a apresentação dos “Grupos de Autodefesa do Povo Machete”.

Mais de 3.500 pessoas de 86 comunidades se reuniram em San José Buenavista Tercero, uma das comunidades do território Pantelhó, no dia 18 de julho, para anunciar publicamente o nascimento das “Forças de Autodefesa do Povo El Machete”. Em seu depoimento, eles explicam a necessidade de pegar em armas ao chegar ao ponto de exaustão devido ao assédio que sofrem nas mãos de grupos armados protegidos pelas autoridades municipais. Antes de pegar em armas e se apresentar ao povo mexicano, os habitantes do município denunciaram as agressões sofridas e pediram reiteradamente ao Estado que aja para prender esses grupos. Por não ver ações concretas e após o assassinato de Simón Pedro Pérez, integrante das Abelhas Acteal e morador da região do Pantelhó, de acordo,Eles decidiram fazer justiça com suas próprias mãos e governar seu povo sob os usos e costumes dos povos nativos.

Ao decidir assumir a presidência municipal, a cidade de Pantelhó testemunhou confrontos armados entre o Exército mexicano, Guarda Nacional, Polícia Municipal, grupos armados e moradores. Por um tempo, o cenário foi de casas queimadas, carros destruídos e impactos de pedaços de metal de bombas do tipo molotov nas paredes das casas próximas à sede do município. Na estrada era possível ver centenas de invólucros de alto calibre, marcas de explosões de bombas e dezenas de soldados armados com submetralhadoras carregando quilos de munição nos ombros, além de um helicóptero militar sobrevoando a área.

Após a recuperação da ordem, os moradores pediram diálogo com o governo estadual para exigir o direito de se autogovernar sob seus usos e costumes. No município de Pantelhó, hoje governado pelo povo, ocorreu um diálogo entre o estado e a voz de milhares de habitantes da região fartos da violência.

Hoje Pantelhó é regido por costumes e tradições e, embora a violência tenha diminuído desde então, o assédio continua, pois apenas no dia 18 de setembro de 2021, um homem foi entregue às autoridades após moradores perceberem que ele portava arma de fogo e tinha um bomba com ele.

Resumo oficial do funcionamento da Lei de Usos e Costumes dos povos originários do México. 

Huixtán

Em outro ato violento, no dia 13 de julho deste ano, um grupo de cerca de 30 homens vestidos de preto, encapuzados e fortemente armados, entrou na prefeitura do município indígena de Huixtán , para levar três trabalhadores do município e três veículos do próprio conselho para obrigar o presidente do município a cumprir a pavimentação das ruas da citada comunidade.

Oxchuc

Em 8 de julho, Eduardo Santiz Gómez, 21, filho do presidente municipal de Oxchuc, foi sequestrado por homens armados na periferia do município e foi libertado 25 dias depois.

Altamirano

Na noite de 15 de setembro, incendiaram o palácio municipal de Altamirano. Neste município, foi denunciado que o presidente do município e sua esposa governarão por 4 períodos, em nome do Partido Ecologista Verde, incluindo o que começa em 1º de outubro.

Que outra consequência esses conflitos têm?

Todos esses conflitos, impregnados de violência e impunidade, levaram ao deslocamento forçado ocasional , intermitente ou permanente de milhares de pessoas no estado de Chiapas. As famílias forçadas a deixar suas casas muitas vezes não têm mais acesso às suas terras, resultando na perda de suas safras e na impossibilidade de plantar novamente no ano seguinte. Os deslocados, além da violência sistêmica e da discriminação perpétua, devem enfrentar o frio, a fome, a doença e a morte, vivendo com medo e sem vislumbrar uma saída dos conflitos ou retornando logo para suas casas, causando desespero, danos psicológicos e emocionais e o agravamento do tecido social da comunidade.

De 1994 a junho de 2020, Chiapas teve 37 deslocamentos forçados, ou seja, mais de 115 mil pessoas deslocadas, sendo a principal causa o conflito armado e as violações dos direitos humanos.

3.205 pessoas, principalmente meninas, meninos e adolescentes, fugiram de Pantelhó e de algumas cidades de Chenalhó em 8 de julho, tornando-se o deslocamento em massa com o maior número de pessoas desde outubro de 2017 , quando mais de 5.000 pessoas foram forçadas a fugir. De várias comunidades de Chalchihuitán e Chenalhó.

Chalchihuitán, Chenalhó e Aldama são os municípios onde mais pessoas foram deslocadas à força em Chiapas.

E a migração?

Desde 28 de agosto, foram registradas 4 caravanas de mulheres e homens, meninas e meninos de Cuba, Nicarágua, Guatemala, Honduras, Venezuela, Senegal e Haiti. A resposta do Estado por meio do Instituto Nacional de Migração (INM) foi realizar operações de detenção com violência excessiva e uso desproporcional da força para impedir o trajeto de pessoas que buscavam sair de Chiapas devido à demora na resposta e resolução de sua imigração e refugiado procedimentos de regularização.

Em seu comunicado, publicado em 4 de setembro de 2021, “ Contra a xenofobia e o racismo, a luta pela vida, as Juntas Zapatistas de Bom Governo, a CCRI-CG do EZLN e as comunidades indígenas zapatistas declaram que:

Mesmo entre os elementos da chamada Guarda Nacional existe descontentamento. Porque eles foram informados de que sua missão seria combater o crime organizado, e agora eles os têm como cães de caça perseguindo pessoas de pele escura. Porque essa é a instrução: para caçar qualquer pessoa de pele escura: “Pare com a porra de qualquer negro que encontrar”, é a ordem. É uma declaração e tanto de política externa.

As condições pioraram como resultado da pandemia COVID-19. O fechamento de fronteiras, abrigos para migrantes, escritórios do COMAR, a perda de empregos e a recessão econômica, bem como a maior dificuldade de acesso a cuidados médicos, pioraram ainda mais a qualidade de vida de mulheres e homens. .

Qual é a situação da saúde em Chiapas?

Desde o início da pandemia, nenhuma estratégia de atendimento foi desenhada para as populações rurais e indígenas, muito menos para as comunidades aposentadas do sudeste mexicano. As campanhas de prevenção e informação sobre a pandemia foram confusas; por exemplo: nas pequenas unidades de saúde das comunidades, foram observadas faixas confeccionadas pelo Ministério da Saúde com a legenda: “Quem pode pegar Covid-19? Pessoas que viajaram para a China ou que estiveram em contato com alguém da China ”. A situação da aplicação da vacina contra a Covid-19 é semelhante porque, por falta de acesso à informação, desconfiança e uma cultura e conhecimento muito distantes do sistema de saúde ocidental, muitas pessoas não vão à aplicação do antídoto, agora imposta pelo sistema capitalista.Os números de contágio e morte foram e são controlados por um governo hermético, por isso é difícil ter dados conclusivos; os registros de óbitos em pequenas comunidades nunca fizeram parte dos registros da secretaria estadual de saúde, menos na soma dos óbitos nos dados do governo federal. Hoje as vacinas chegam voluntariamente aos municípios lentamente, embora a publicidade oficial do IMSS opere para demonstrar o trabalho de distribuição e aplicação de sua atual diretora Zoe Robledo, provável candidata ao governo do estado de Chiapas. Em um contexto onde a saúde comunitária é administrada de forma diferente das cidades e onde a população se irrita com as mentiras da classe dominante, a desconfiança no sistema está causando mortes.

Em resposta a isso, as comunidades concordaram em como lidariam com a doença. Por exemplo: os caramujos zapatistas estiveram entre os primeiros, tanto local quanto nacionalmente, a alertar para a gravidade da situação mundial ; Com base em estudos científicos, eles tomaram as medidas pertinentes (campanhas internas de informação, medidas sanitárias, fechamento dos caramujos) que vigoram até hoje.

Nas últimas semanas, houve um aumento dos casos de contágio em várias comunidades, ainda maior do que no mesmo período do ano passado. Em Aldama, por exemplo, que não relatou a presença da doença por meses, um grande aumento foi identificado nas últimas semanas.

O que se exige de Chiapas e do exterior?

A situação em Chiapas é complexa e nada uniforme. No entanto, a violência é generalizada em todo o estado e se intensificou nos últimos meses, quando a campanha eleitoral começou no início de abril de 2021.

Desde 1994, o EZLN luta pela paz e pela justiça. Hoje suas demandas permanecem. É hora de exigir, tanto do México quanto do exterior, o fim da guerra de Chiapas. Trata-se de manifestar não só para gritar ataques suficientes ao território zapatista, mas também pelo direito de todo um povo viver em paz.

O EZLN convoca a rebelde Europa, Slumil K’ajxemk’op, e as redes do Sexto Nacional e Internacional a “se manifestarem em frente às embaixadas e consulados, e nas casas do governo do estado de Chiapas”, a seguir Sexta-feira, 24 de setembro, exigindo o fim das provocações e o abandono do “culto à morte” professado tanto por governos como por grupos paramilitares e criminosos.




Fonte: Faccaoficticia.noblogs.org