290 visualizações


A seguir, reproduzimos a petição de solidariedade que recebemos dos camaradas de Mianmar.

Lembramos que os trabalhadores de todo o país estão sendo vítimas de uma repressão feroz desde o golpe de Estado de 1º de fevereiro.

Mais informações aqui: iclcit.org/es/golpe-de-estado-en-myanmar-el-ejercito-toma-el-control-del-pais/ e aqui iclcit.org/es/huelga-general-contra-el-golpe-en-myanmar/

Camaradas da Confederação Internacional do Trabalho (ILC), da rede Global May Day e de outros grupos de emancipação global:

Desde fevereiro, organizações de base em Mianmar têm tomado as ruas para se opor à junta militar que tomou novamente o poder ditatorial pela força, com um golpe de Estado após sua derrota nas eleições de novembro do ano passado.

O golpe tem sérias consequências para nós, entre outras, a perda dos direitos civis conquistados nos últimos anos e décadas.

Desde o início, nos mobilizamos nos locais de trabalho e moldamos o CDM em todo o país.

Exigimos a demissão da liderança militar e o fim de seu regime fascista, assim como uma nova constituição que torne realidade a plena democracia federal, e a libertação imediata dos presos políticos e presas políticas, sem exceção!

Nós, os homens e mulheres trabalhadoras, estamos enfrentando várias formas de repressão. Não apenas os militares atiram em nós nas ruas, mas aqueles que dirigem as fábricas e locais de trabalho muitas vezes colaboram com o exército, que eles utilizam para reprimir protestos e greves. A brutalidade dos soldados e da polícia já reclamou pelo menos 738 vidas de manifestantes contra o regime militar. (Leia mais em: aljazeera.com)

Esta situação é muito triste, assim como ultrajante!

De nossas organizações, ajudamos financeira e materialmente aqueles que perderam seus empregos, como pela repressão por participarem do movimento pela democracia. Este grupo inclui trabalhadoras grávidas que foram demitidas das fábricas e famílias monoparentais, mas também muitas outras pessoas que apoiaram o CDM.

Camaradas, é hora de se unirem para aumentar a pressão sobre a junta militar em todos os níveis possíveis! Propomos que o Dia 1° de Maio também sirva como um dia de ação para expressar solidariedade com o MDC em todo o mundo.

Aqui estão algumas ideias de coisas que podem ser feitas:

– Pressionar as empresas que colaboram com a junta militar, como o Grupo Deutsche Post DHL (fonte: justiceformyanmar.org), Total SE (fonte: asianews.it) e Sinotruk/MAN (fonte: justiceformyanmar.org).

– Apoiar financeiramente os trabalhadores envolvidos no MCD:

Diferentes maneiras de fazê-lo podem ser encontradas no seguinte link: isupportmyanmar.com

Para contribuir com os esforços de ajuda mútua do Food not Bombs Myanmar (Comida Sim Bombas Não), mais informações escrevendo para asia@icl-cit.org.

– Pressionar as principais marcas internacionais de vestuário para garantir que todas as suas fábricas e empreiteiras respeitem o direito dos trabalhadores a férias não remuneradas sem serem demitidos por isso. Ações de protesto contra o golpe de Estado em Mianmar podem continuar diante de empresas multinacionais como: Zara, H&M, Adidas, OBS, Mango e Sioen.

– Pressionar o governo de Singapura. “A próspera cidade-estado insular é o maior investidor estrangeiro em Mianmar, superando a China em 2019, para investir mais de US$ 24 bilhões de capital através de lucrativos projetos imobiliários, bancos, transporte marítimo, exportação de areia e construção, bem como venda de armas”. (fonte: vice.com). Seu governo é proprietário da Temasek Holdings, que arrecada mais de 230 bilhões de dólares em capital. Por sua vez, a Temasek Holdings é acionista majoritária de muitas empresas, tais como a Singapore Airlines (56%). Portanto, exercer pressão sobre a Singapore Airlines significa fazer o mesmo com o governo de Cingapura.

– Apoiar a iniciativa do governo de unidade nacional. “A oposição à junta militar anunciou um governo de unidade nacional que inclui membros do parlamento dissolvido e líderes dos protestos anti-golpistas e minorias étnicas. Eles disseram que seu objetivo é acabar com o governo militar e restaurar a democracia”. (fonte: reuters.com)

Levantemos três dedos: pela liberdade, pela unidade, pela solidariedade!

#Call4InternationalCDMsolidaridade

#WhatsHappeningInMyanmar

#1world1truggle

Assinantes da petição:

All Burma Federation of Trade Unions (ABFTU)

Federation of General Workers Myanmar (FGWM)

Food not Bombs Myanmar

Fonte: https://www.iclcit.org/es/peticion-internacional-de-solidaridad-con-el-movimiento-civil-de-desobediencia-cdm-de-myanmar/

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

terno salgueiro
quase ouro, quase âmbar
quase luz…

José Juan Tablada




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org