Fevereiro 20, 2021
Do Passa Palavra
270 visualizações


Por Passa Palavra

O coletivo político-editorial Passa Palavra foi fundado em fevereiro de 2009, e desde então ocupa-se em noticiar as lutas, apoiá-las e pensar sobre elas. Fizemos a crítica aos lugares-comuns da esquerda; identificámos e combatemos o identitarismo nos meios libertários; publicámos denúncias que questionavam a atitude dos patrões, fossem eles dos mais canalhas aos mais “bem-intencionados”. Fizemos tudo isso e mais, e nossos objetivos ainda estão longe de se concretizar.

Nesse meio tempo o site que comporta nossos artigos passou por uma série de mudanças, bem como também procurámos diferenciar nossos conteúdos. Inaugurámos a seção Achados e Perdidos, por exemplo, em que republicamos material encontrado nas redes sociais, onde geralmente esses textos se perdem; inaugurámos em 2019 a seção Colunas, com 4 temas que alternam semanalmente.

Como qualquer website, procuramos sempre aumentar a quantidade relativa de acessos ao conteúdo que publicamos. Apesar disso, nunca nos permitimos publicar conteúdo ‘mastigado’ ou artigos aclamados simplesmente pela origem, a fim de conseguir mais acessos em detrimento da qualidade. Consideramos que fazer a crítica e a autocrítica da esquerda e não ceder à burocratização dos coletivos políticos são os principais objetivos do Passa Palavra hoje.

Muitos leitores nos cobram a criação de um boletim periódico, ou newsletter, para que possam receber em seus e-mails as publicações mais recentes. Não o fizemos, nem pretendemos fazê-lo. Este texto explica nossas razões, e apresenta alternativas.

A criação de uma newsletter não ajudaria a aumentar o alcance do site?

O maior empecilho na adesão à tal ferramenta é um que muito nos preocupa, e não à toa damos grande importância ao tema Cuidados Digitais: criar uma newsletter implica em montar tecnologia para isso. A ferramenta exige uma circulação de dados que seria por regra retida pelo Passa Palavra. Não por escolha própria, mas porque o comprometimento com os dados apresentados é condição essencial para manutenção desse vínculo.

Prezamos pela segurança e anonimato de nossos colaboradores e fontes. Em outro momento publicamos o artigo Como fazer sua denúncia da forma mais segura com essa esperança.

Então como receberei atualizações do site?

Acontece que a newsletter não é a única ferramenta disponível para advertir os leitores de conteúdos recém-publicados. A ferramenta que melhor nos convém e por isso recomendamos aos leitores é o RSS.

Mais seguro, portanto, e nem por isso menos prático, é o formato de distribuição de conteúdo conhecido como RSS. Qualquer site que tenha o símbolo do RSS tem ele ativado. Basta clicar no símbolo para pegar o link e usá-lo nos programas que o leem. O site envia automaticamente notificações RSS a cada nova publicação, e quem assinou o RSS irá recebê-las automaticamente. Por exemplo, o endereço a ser utilizado para receber atualizações do Passa Palavra via RSS é o https://passapalavra.info/feed/, e há inclusive um mecanismo para manter-se atualizado via RSS a cada novo comentário publicado no site (aqui: https://passapalavra.info/comments/feed/).

Alguém ainda usa RSS? Não é mais fácil atualizar-se usando redes sociais?

A tecnologia é antiga, foi criada em 1999, mas ainda é a mais poderosa forma de difusão de conteúdo pela internet — e melhor, não exige qualquer compartilhamento de dados de navegação ou de informações pessoais para ser acessada. A cada nova publicação, um website que use RSS “dispara” automaticamente um resumo dela e notifica qualquer software de leitura destes resumos, que os receberão e o converterão num formato amigável para leitura.

O formato RSS é a tecnologia por trás de serviços conhecidos como agregadores de notícias, como o extinto Google Reader, Feedly e Flipboard, que permitem concentrar num só programa/aplicativo notícias de vários sites. O RSS também é usado para distribuir podcasts como Antinomia, Benzina, Comboio Suburbano e Xadrez Verbal.

Alguns dos veículos de imprensa com maior público e alcance no mundo usam com sucesso o RSS, alguns chegando ao ponto de ter um fluxo RSS para cada editoria: Economist, Le Monde, New York Times, Corriere della Sera, The Guardian e outros. No Brasil, usam o RSS veículos como Extra, Folha de S.Paulo, Jornal da Manhã, Jota, Valor Econômico, Veja e outros.

Há, sim, veículos que preferem manter seu público atualizado por meio de redes sociais. O Passa Palavra também o faz, principalmente pelos seus perfis no Twitter, Facebook e Mastodon. Esta solução, entretanto, pressupõe fazer com que o público crie contas nestas respectivas redes; se serve para quem nelas já está, pode não servir para quem nelas não queira entrar. O RSS, além de atender a esta parcela de nosso público, é mais flexível, pode ser lido de diversas formas, e garante que, para manter-se a par do que é publicado em nosso site, nosso público não precise ceder seus dados e informações pessoais a ninguém.

Como posso receber notificações RSS?

O formato RSS é extremamente flexível, não seria possível cobrir todas as possibilidades de seu uso num artigo simples. Por isso, optamos por concentrar em formas de acesso simples, que permitam ser instaladas e usadas mesmo por quem não entenda muito de informática, e que garantam o máximo a privacidade de dados de nosso público. Se você conhece outros métodos interessantes de acompanhar o conteúdo do Passa Palavra via RSS, esteja à vontade para apresentá-los nos comentários.

1. Extensão Feedbro (Firefox e Chrome)

Para receber notificações RSS no Firefox ou no Chrome, é preciso instalar a extensão Feedbro.

No Firefox, o primeiro passo depois de instalar a extensão (clique aqui para começar) é colocá-la em português: para isso, é preciso clicar no botão do Feedbro, depois em “Options”; na janela que se abrir, clique na opção “Import locale”; na janela que abrir, é preciso copiar e colar o link para a tradução (clique aqui para copiar); depois, basta clicar em OK e a tradução estará instalada. Para usar, basta clicar com o botão direito no link do RSS, copiá-lo, clicar no botão do Feedbro e em “Abrir Leitor de Feed”; na janela que abrir, clique no ícone do RSS, cole o link copiado, depois em “Carregar”. Com isso, a cada nova publicação aparecerá um aviso na barra superior do Firefox.

No Chrome, o procedimento é semelhante: instale a extensão (clique aqui para começar) e siga todos os passos anteriores.

Com o Feedbro as notificações ficam no próprio navegador, não são enviadas para lugar algum.

2. Aplicativo Feeder (para smartphones com sistema Android)

Quem prefere ler notificações RSS no celular poderá usar agregadores como o Feeder, que também não enviam informações a lugar algum. Basta instalar o aplicativo, abri-lo e montar seu “repertório” de fontes. Se quiser manter o aplicativo atualizado, será preciso instalar também o F-Droid (clique aqui para instalar), repositório de aplicativos construídos com base em software livre.

3. Agregadores com login e senha

Há quem já use agregadores de notícias como Feedly e Flipboard, que permitem uma série de funcionalidades adicionais mas exigem criação de login e senha. São bons serviços, mas com o login e a senha é possível ligar a pessoa X, que tem o e-mail Y e o login Z, a uma quantidade de assinaturas RSS, o que pode ajudar a mapear seu perfil de interesses. Embora as alternativas a seguir ainda permitam este tipo de cruzamento de dados, é melhor usar algum servidor livre que disponibilize o serviço TT-RSS, como Snopyta e G3L, que podem ser acessados tanto pelo navegador quanto por um aplicativo Android, pois ao menos nestes servidores seus dados não estão sendo usados para perfilagem e propaganda. O TT-RSS ainda permite, para quem tenha os conhecimentos técnicos adequados, instalar sua própria versão do serviço com hospedagem autônoma (self-hosting).

4. Thunderbird

Quem usa o Thunderbird para ler e-mails também pode usá-lo como um agregador RSS. Para inscrever um RSS no Thunderbird, basta clicar em “Arquivo → Novo → Conta RSS”; depois, dê um nome à conta (digamos, “Notícias”); depois clique em “Concluir”. Aparecerá uma nova conta, como se fosse de e-mail, mas com o símbolo do RSS à esquerda. Clique nela, depois em “Gerenciar inscrições RSS”; na janela que abrir, coloque o link do RSS e clique em “Novo”. Pronto!

A imagem que ilustra este artigo pertence à Diomari Madulara.




Fonte: Passapalavra.info