Fevereiro 17, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
269 visualizações


Não há nada de inerentemente violento no anarquismo, por muito que se possa especular acerca das suas ambições finais.

Por Frederico Carvalho | 09/02/2021

Agressividade, brutalidade, hostilidade: existem muitos sinônimos de violência, “anarquismo” não é um deles.

No dia 14 de Outubro de 2019, as pessoas saíram às ruas em Barcelona como forma de protesto contra a condenação de nove líderes do movimento pela independência da Catalunha. Os protestantes demonstraram o seu descontentamento de diferentes formas. Alguns protestaram pacificamente ocupando as ruas ou organizando greves gerais, outros manifestaram-se de formas mais incendiárias. Houve fogos, motins, atos de vandalismo, destruição de propriedade privada – a desobediência civil violenta tornou-se prática regular. Fogo foi combatido com fogo: a agência policial Mossos d’Esquadra retaliou com gás lacrimogêneo e balas de borracha, impelindo dias infernais numa das mais importantes cidades espanholas.

Já este ano, no dia 6 de Janeiro, o Capitólio dos EUA foi invadido por apoiantes de Donald Trump. Tais ações foram propulsionadas pela falsa alegação, feita pelo anterior Presidente americano, de que Joe Biden só fora eleito devido a eleições fraudulentas. No ano passado, os EUA foram também palco de manifestações impulsionadas pelo homicídio de George Floyd, que agravou o descontentamento da população relativamente a problemas como o racismo sistêmico e a violência policial. Tais protestos transformaram-se em cenários semelhantes àquele se pode observar em Barcelona.

O que têm em comum os independentistas catalães, os apoiantes de Trump e os defensores do movimento Black Lives Matter? Segundo alguma da cobertura da comunicação social – tanto internacional como dos respectivos países – todos incorreram em práticas “anarquistas” nos acontecimentos previamente referidos, tendo até Donald Trump usado esse termo para se referir explicitamente aos manifestantes defensores do movimento Black Lives Matter. Certamente tem de existir alguma falha aqui. Como é que grupos com ideologias e motivações tão distintas são postos na mesma caixa?

O anarquismo tem claramente um problema de imagem e é comumente associado a caos, desordem e violência. Embora seja inegável que em todos estes protestos se possa ter observado tais fenômenos, não tem cabimento afirmar que todas as pessoas que cometem práticas desordeiras são anarquistas. Qualquer pessoa pode incorrer em atos violentos, mas nem toda a pessoa que o faz é anarquista.

Embora na teoria política o anarquismo seja recorrentemente referido como a defesa da abolição do Estado e dos poderes políticos centrais, a ideologia anarquista é muito mais predominantemente marcada pela crítica cerrada contra as diferentes causas da desigualdade, exploração e opressão. O que distingue o anarquismo de outras ideologias políticas, que apelam também à terminação destes problemas, é o foco na luta constante contra as fontes repressivas de uma sociedade através de ação direta. Como tal, a componente ativista do anarquismo abre espaço para que se possa combater o poder instaurado de variadas formas – tanto através de atos violentos, como através de ações educativas ou solidárias. A maneira como uma ideologia se materializa é sempre variada.

Embora anarkhé, raiz etimológica da palavra “anarquia”, signifique a inexistência de um princípio – de uma razão primária, de uma raiz, de um Estado – não significa necessariamente ausência de princípios morais. Não há nada de inerentemente violento no anarquismo, por muito que se possa especular acerca das suas ambições finais.

Fonte: https://www.publico.pt/2021/02/09/p3/noticia/es-anarquista-nao-sabias-1949142

agência de notícias anarquistas-ana

estrela extinta
milhões de anos-luz
para ser vista

Alexandre Brito




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org