Abril 24, 2021
Do Reporter Popular
232 visualizações


O que era para ser uma atividade sobre educação, virou um verdadeiro show de horrores, promovido pela Secretaria Municipal de Educação de Armação dos Búzios – RJ. A secretaria contratou o Instituto Conhecer, com dispensa de processo licitatório para uma palestra intitulada “Educação em tempos de pandemia”.

A live teve como participantes o presidente do Instituto Conhecer, Vicente Falcão, o palestrante e mágico, Dalmir Sant’anna e integrantes da Secretaria Municipal de Educação de Armação dos Búzios. Num momento de avanço da pandemia, a atividade, que teve quase 2h de duração ignorou qualquer discussão crítica sobre os perigos do retorno das aulas presenciais.

Positividade tóxica e racismo

Em toda a atividade Dalmir Sant’anna reproduziu velhos clichês motivacionais, que atribuem aos indivíduos, a responsabilidade dos problemas da educação pública.

Para piorar, em determinado momento, em 30 minutos de vídeo, Dalmir comenta que

“nós temos de acreditar infelizmente que nós encontramos pessoas desanimadoras, pessoas tristes, pessoas que gostam de reclamar de tudo”.

Em seguida, ao som da música tema da novela Escrava Isaura (de Dorival Caymmi), o palestrante coloca uma máscara de borracha e uma peruca black-power, caricaturando de maneira perversa o fenótipo negro.

Mesmo associando negativamente a identidade negra a indolência e ao pessimismo, Dalmir não foi interrompido pelos demais integrantes da atividade, que também não fizeram nenhum comentário sobre seu gesto racista. Professores que assistiam a live denunciaram o gesto de Dalmir nos comentários mas foram solenemente ignorados pela organização do evento.

Qualidade educativa duvidosa

O Instituto responsável pela atividade contratada pela Secretaria de Armação dos Búzios é mais uma das empresas que vivem de palestras e atividades pagas pelas secretarias municipais para abocanhar recursos oriundos do duvidoso Ensino Remoto. Dalmir Sant’anna, que não possui nenhuma experiência nem formação na área de educação, apresenta-se em seu site como “Palestrante destaque empreendedor” e Bacharel em Comunicação Social, com habilitação em publicidade. Temas que não possuem muita relação com o ambiente educacional.

O presidente do Instituto Conhecer, Vicente Falcão, apesar de se apresentar como tendo mestrado e doutorando em educação no seu perfil pessoal do linkedin, não possui nenhum artigo publicado na área de educação. O seu currículo lattes também está desatualizado desde 2018, onde na área de pós-graduação em educação, apenas é informado um mestrado em andamento na Universidad de Columbia, Paraguai.

O palestrante Dalmir Sant’anna também não possui nenhum artigo de educação publicado em revistas acadêmicas e sua produção se resume a palestras motivacionais e a livros produzidos em conjunto com outros pesquisadores. A única experiência como professor de Dalmir é ministrando a vaga “Disciplina de Motivação” na universidade privada Sociedade Educacional de Santa Catarina. Qual é o interesse da SME de Armação de Búzios em convidar pessoas sem qualquer referência qualificada para a atividade?

Sindicatos da Educação e entidades repudiam a live

Sindicatos de trabalhadores da educação e mais de vinte organizações (até agora), movimentos populares e entidades sociais assinaram carta repudiando a atitude de Dalmir e questionam a Secretaria Municipal de Educação de Armação dos Búzios. Os sindicatos afirmam que a palestra foi feita com dinheiro público com fins de elogiar a administração municipal e enaltecer a secretária de educação Carla Natália.

Também repudiam o gesto racista de Dalmir e sua postura em atribuir ao problema da educação, a falta de motivação pessoal dos trabalhadores.

As entidades ressaltam que a cidade de Armação de Búzios apresenta um grande contingente de população negra e quilombola, e que a atitude na live ofende a história e memória dessas pessoas. A atividade, ainda segundo as entidades, nada contribuiu para o aperfeiçoamento das práticas pedagógicas.

A palestra de Dalmir poderia ser resumida em algumas frases imperativas, como: “professor, vai trabalhar em meio à pandemia, sem condições de segurança sanitária e sem EPIs e não reclame”, “não importa a sua saúde e a sua vida, você terá de enfrentá-lo!”, “Não importa o caos que está o país, o estado e a cidade, vá trabalhar sorrindo!”.  (Nota de Repúdio – Sepe Lagos)

Cabe recordar que na região de Armação dos Búzios, localizam-se grandes referências quilombolas e de luta negra, como o Quilombo da Rasa e Baía Formosa. Os Quilombos são conhecidos na luta contra o racismo ambiental, a gentrificação e o processo de branqueamento das áreas turísticas da região. Práticas racistas definitivamente não combinam com a digna luta popular da região, tampouco com a educação.

Repórter Popular – Baixada Litorânea (RJ)




Fonte: Reporterpopular.com.br