Abril 26, 2022
Do Agencia De Noticias Anarquistas
261 visualizações

Embora eu estivesse esperando, ainda é uma notícia muito triste de ouvir a morte de Brian Bamford, aos 81 anos. Ele morreu em casa nas primeiras horas da manhã da última sexta-feira (18 de fevereiro), após uma longa doença. Ele era um bom amigo e camarada e eu sentirei muita falta dele. É estranho não ouvir sua voz ao telefone, pois ele me ligou muitas vezes por semana durante anos. Embora discutíssemos frequentemente um com o outro sobre um ou outro assunto, eu gostava muito dele e o respeitava. Entretanto, tínhamos muito em comum e acho que conseguimos algo através de nossa amizade e colaboração.

Brian era um personagem único. Ele tinha uma natureza generosa e vivia e respirava política. Ele certamente não faltava quando se tratava de ter coragem e ele sempre liderava de frente. Ele era um homem que ia para a cadeia em vez de pagar uma multa e tinha sido frequentemente preso por suas atividades políticas. Às vezes eu lhe dizia em tom de brincadeira que ele tinha comido mais mingau do que os três ursos. Mas, como anarquista, Brian não estava interessado em cargos políticos ou no caminho parlamentar para o socialismo. Ele era mais um militante industrial e jornalista.

Em 2003, um grupo de nós, incluindo anarquistas como Brian, havia fundado a revista Northern Voices após uma reunião no bar Buffet em Stalybridge. Brian foi eleito o editor. Nosso objetivo era produzir uma publicação regional dedicada a notícias locais e questões culturais no norte da Inglaterra. A revista foi vendida em toda a Grande Manchester, assim como em partes de Yorkshire e Lancashire. Foi até vendida na Livraria Houseman em Londres e na Livraria Freedom Bookshop, em Whitechapel, no East End de Londres. Também vendemos a revista na livraria Hydra Bookshop em Bristol. A última edição da revista Northern Voices foi em 2015. Já tínhamos entrado online e tanto eu quanto Brian nos tornamos editores conjuntos do blog Northern Voices.

Como editores conjuntos do blog Northern Voices, lutamos contra pelo menos quatro ações de difamação ameaçadas ou contra nós. A mais grave, foi uma ação contra nós, o jornal Guardian, o Morning Star, o sindicato GMB, e um website chamado Union Solidarity International, por um ex-policial disfarçado chamado Gordon Mills, que tinha trabalhado para uma unidade secreta de polícia chamada NETCU. Também escrevemos sobre a Mills em um livreto que escrevemos chamado “Boys on the Blacklist” (Meninos na Lista Negra). Com a ajuda de Dave Smith e do Blacklist Support Group (BSG), e Unite the Union, resistimos com sucesso a esta ação e não pedimos desculpas nem pagamos um centavo a Gordon Mills.

Brian era membro do Unite e era o secretário do Setor de Enterro do Unite. Ele também foi secretário do Conselho Sindical do Tameside Tradeside. Ao longo de sua vida, Brian esteve envolvido em muitas disputas industriais. No início dos anos 60, ele esteve envolvido na greve nacional de aprendizes de engenharia. Ele também tinha tido algum envolvimento na greve de Roberts Arundel em Stockport e foi preso durante uma greve na Arrow Mill, em Rochdale, onde ele trabalhava e era o representante do sindicato. Muitos dos grevistas eram trabalhadores asiáticos. Nós dois também estávamos envolvidos na greve dos trabalhadores de Tameside Careworkers. Ele fez campanha vigorosa contra a lista negra na indústria da construção, e apoiou Steve Acheson e os outros eletricistas, que haviam sido demitidos com base no falso motivo de demissão pelo empreiteiro, DAF electrical. Brian descobriu por Ricky Tomlinson, que ele também estava na lista negra da Liga Econômica.

Tanto Brian como eu fomos membros da Federação Sindicalista dos Trabalhadores (SWF), e fomos muito influenciados pelo anarco-sindicalismo espanhol da CNT. Em sua juventude, Brian tinha sido um Jovem Liberal. Acho que uma vez ele me disse que o que o atraiu para a política anarquista foi um livro do anarquista russo, o príncipe Piotr Kropotkin, chamado “An Appeal to the Young” (Um Apelo aos Jovens), que havia sido distribuído pelos Jovens Liberais. Ele admirava muito tanto George Orwell quanto o escritor italiano Ignazio Silone, que escreveu o romance antifascista ‘Fontamara‘ e ‘A Escola para Ditadores‘. Um romance que ele gostava particularmente era Nostromo, de Joseph Conrad.

Durante os anos 60, Brian e sua primeira esposa Joan, haviam trabalhado e vivido na Espanha sob a Ditadura do General Franco. Ele falava espanhol e podia argumentar e amaldiçoar em espanhol. Ele uma vez foi preso pela polícia na Estação Ferroviária de Victoria em Manchester porque ele não retirava sua cabra do trem que levava para os veterinários perto de Bolton. Quando o policial o arrastou do trem, Brian pôde ser ouvido gritando – “Cabron”, “Cabron”, um insulto espanhol que significa “cu, filho da puta, bastardo e bode macho”. Ele passou o resto do dia trancado na delegacia de polícia de Boodle Street. Escrevi um relatório para o Freedom Press sobre seus dois julgamentos no Tribunal de Magistrados da cidade e no Tribunal da Coroa que ouviu seu recurso. Posso assegurar-lhes que o processo foi hilário. Ficamos todos muito entretidos.

Brian foi uma grande influência para mim e eu aprendi muito com ele. Eu o conhecia desde meus vinte e poucos anos e colaboramos estreitamente por mais de quarenta anos. Lembrarei dele sempre com o mais profundo afeto. Adios, Amigo. RIP.

Derek Pattison,
Vozes do Norte.

Fonte: http://northernvoicesmag.blogspot.com/2022/02/adios-amigo-brian-bamford-born-14121940.html

Tradução > dezorta

agência de notícias anarquistas-ana

Pé de ipê!
Dá dó de varrer
o tapete lilás.

Cumbuka



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org