Fevereiro 8, 2022
Do Agencia De Noticias Anarquistas
226 visualizações

Por Paul Dobraszczyk | 26/01/2022

A arquitetura e a anarquia podem não parecer o par mais óbvio. Mas desde que o anarquismo surgiu como um tipo distinto de política na segunda metade do século 19, ele inspirou inúmeras comunidades alternativas.

Christiania em Copenhague, Slab City no deserto da Califórnia, La ZAD no interior da França e Grow Heathrow em Londres apresentam formas auto-organizadas de construção. Por um lado, isto inclui a remodelação de estruturas existentes, geralmente edifícios abandonados. Por outro lado, pode significar a construção de espaços inteiramente novos para acomodar a liberdade individual e mudanças radicais na organização social.

Em sua essência, o anarquismo é uma política de pensamento e ação. E reflete o significado original da antiga palavra grega anarkhi que significa “a ausência de governo”. Todas as formas de anarquismo são fundadas na auto-organização ou governo de baixo. Muitas vezes, decorrente de um lugar de ceticismo radical em autoridades irresponsáveis, o anarquismo favorece a organização de baixo para cima sobre a hierarquia. Não se trata de desordem, mas de uma ordem diferente – baseada nos princípios de autonomia, associação voluntária, auto-organização, ajuda mútua e democracia direta.

Por exemplo, em Christiania, uma comunidade intencional e comuna de cerca de 850 a 1.000 habitantes, que foi estabelecida em 1971, os moradores ocuparam os primeiros prédios militares abandonados e os converteram em casas comunitárias. Com o tempo, outros construíram suas próprias casas em uma extraordinária diversidade de estilos e materiais que sobrevivem até os dias atuais. Mesmo projetos anarquistas temporários, como os campos de protesto dos anos 80 em Greenham Common, em Berkshire, e as mais recentes ocupações da Rebelião da Extinção em Londres, exigem a construção de abrigos improvisados e infraestrutura básica.

Sementes que podem crescer

Em meu novo livro, Arquitetura e Anarquismo: Construir sem autoridade, eu vejo como os projetos de construção anarquista são frequentemente alvo das autoridades porque são considerados ilegais. E como resultado disso, há um efeito de arrastamento que faz com que as pessoas que auto-constroem sejam de alguma forma “excepcionais” – movidas por desejos que são simplesmente estranhos para o resto de nós.

Mas isso, penso eu, não tem o sentido da política anarquista que está por trás de tais projetos. E também não reconhece que estes princípios estão fundamentados em valores que são compartilhados muito mais amplamente.

Por exemplo, o falecido anarquista britânico Colin Ward sempre defendeu que os valores por trás do anarquismo em ação estavam enraizados em coisas que todos nós fazemos. Ele estava particularmente interessado em como as pessoas pareciam ter um desejo inato de compartilhar tempo e espaço sem esperar qualquer remuneração financeira. Como parte de seu trabalho, ele frequentemente abraçava assuntos cotidianos, como loteamentos comunitários, parques infantis, acampamentos de férias e cooperativas habitacionais.

Ele tinha uma crença forte e otimista no anarquismo como uma força sempre presente, mas muitas vezes latente na vida social, que simplesmente precisava ser nutrida para crescer. Ward defendeu uma forma de construção que estava focada em mudar o papel dos cidadãos de receptores para participantes “para que eles também tenham um papel ativo a desempenhar” na construção de cidades e vilas.

Algumas práticas arquitetônicas recentes – por exemplo, Assemble no Reino Unido, Recetas Urbanas na Espanha e Raumlaborberlin na Alemanha – desenvolveram de fato formas de trabalho que estão quase inteiramente focadas em tal modelo de participação. De fato, em setembro de 2019, Raumlaborberlin construiu uma “Estação Utopia” em Milton Keynes, no Reino Unido. Esta era uma estrutura que combinava andaimes de aço, escadas de metal, toldos listrados e janelas salvas para criar um espaço de três andares.

No interior, os visitantes foram convidados a dar suas próprias sugestões para o futuro desenvolvimento urbano, que foram depois transformadas em modelos e exibidas. Uma abordagem tão lúdica – e alegre – para a participação dos cidadãos está em contraste com as formas muitas vezes duras e deprimentes que geralmente somos solicitados a comentar sobre os edifícios que estão sendo planejados.

Espaços comunitários

No ano passado, o governo britânico publicou seu plano de recuperação pós COVID-19 para “reconstruir melhor”. Com sua ênfase em garantir o crescimento econômico, o relatório não aborda completamente as consequências ambientais catastróficas de tal abordagem.

Uma abordagem diferente envolveria uma remodelação radical dos valores que sustentam nossa política. Aqui, o anarquismo tem muito a contribuir. Seus valores centrais de ajuda mútua, auto-organização e associação voluntária oferecem uma noção muito mais holística do que constitui progresso.

Em nível pessoal, encontrei loteamentos urbanos que são lugares onde os contornos de uma revolução tão cotidiana podem ser sentidos. São áreas de terra reservadas pelas autoridades locais para que os residentes cultivem alimentos em troca de um aluguel nominal anual.

Embora eu nunca tenha encontrado ninguém em meu próprio lote que se identifique como anarquista, as “sementes” estão lá para ver. As “sementes” são, em essência, espaços comuns dentro das cidades. Locais deliberadamente mantidos fora do mercado e preenchidos com mais ou menos estruturas provisórias, tais como galpões ou estufas pré-fabricadas ou auto-construídas.

Embora não seja permitido construir uma moradia em um loteamento (pelo menos no Reino Unido), não é difícil transferir os princípios subjacentes para outros locais nas cidades. Quando olho pela janela do meu quarto para os loteamentos logo após minha casa, muitas vezes me pergunto por que não é possível reservar um terreno para outros tipos de atividades comunitárias? Mesmo para habitação?

É em lugares como loteamentos que se vê a natureza radical das possibilidades alternativas. Aí reside a esperança de construir um futuro emancipatório, inclusivo, ecológico e igualitário. Isto é reconstruir melhor.

Fonte: https://theconversation.com/how-anarchist-architecture-could-help-us-build-back-better-after-covid-170328

Tradução > dezorta

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/11/03/reino-unido-squatters-cultos-do-deserto-e-manifestantes-do-clima-novo-livro-examina-a-arquitetura-de-assentamentos-anarquistas/

agência de notícias anarquistas-ana

Leve brisa
aranha na bananeira
costura uma folha.

Rodrigo de Almeida Siqueira



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org