385 visualizações


Escondido em um canto tranquilo do Elephant & Castle está o 56A Infoshop (56a.org.uk).

Gerido por voluntários e 100% sem financiamento, é um centro social radical, livraria e arquivo.

O que é um centro social radical? Os centros sociais têm muitas influências diferentes. Um é a longa história de prédios ocupados na Inglaterra que se abriram como lugares para as pessoas se envolverem em ideias, atividades e experimentos radicais. Na sua inauguração, o 56A também se inspirou na ideia do Infoshop. Os infoshops eram numerosos em muitas cidades combativas da Europa e forneciam espaço para reuniões, venda de livros e jornais, um local para reunir e planejar ações políticas, bem como a ideia mais simples – ser um lugar para descobrir as coisas e o que estava rolando!

Como o membro fundador C explicou, “nós o chamamos de infoshop, já que muitos de nós estávamos envolvidos na política radical em torno da criação de uma rede europeia de distribuição de notícias sobre lutas sociais”.

“Isso foi antes da internet, você sabe”.

“Ocupar não é mais um movimento massivo”.

Estabelecido em 1991 como um centro de informações para radicais, o voluntário J descreveu o 56A como “uma relíquia da cena de ocupação em Londres”.

“Muitos das antigas ocupações que eram realmente importantes foram fechadas ou desenvolvidas”.

“56A é o último homem de pé”.

Embora agora pague aluguel, o 56A foi um prédio ocupado de 1988 a 2003.

C acredita que as mudanças no tecido urbano estão por trás do declínio do movimento, ao lado da criminalização da ocupação residencial em 2012.

“Se você andasse pela área hoje, pensaria que era como qualquer outra parte de Londres, mas trinta anos atrás havia milhares de ocupações. A cidade está muito mais regulamentada e disciplinada agora, você não vê mais isso”.

“Neste momento, todo mundo está lutando contra condições terríveis. Múltiplos empregos, salários baixos, valores terríveis de aluguel… isso afeta a quantidade de tempo e energia que temos para construir espaços como o 56A”, acrescentou.

“Funcionamos porque confiamos uns nos outros”.

56A é organizado coletivamente. O voluntário de longa data D explicou o que isso significava: “operamos sem hierarquia. Ninguém está no comando”.

“Isso cria muito mais possibilidades de mudança e adaptabilidade porque as coisas não são consertadas”.

O 56A sobrevive com a venda de livros, zines e histórias em quadrinhos. Ou, como disse Jess, “qualquer coisa feita de papel”. A literatura disponível aborda uma variedade de tópicos, desde os Panteras Negras até a ecologia – e tudo mais.

J disse: “temos muitos itens raros, livros que você não encontraria em nenhum outro lugar”.

Premiado pelos voluntários foi o arquivo de acesso aberto do 56A com mais de 1.400 livros e 50.000 panfletos, papéis e folhetos.

“Estamos mantendo uma história de lutas e resistências passadas”, disse D. “Especialmente em uma época em que os movimentos não são tão fortes quanto antes, é vital manter um registro do que as pessoas fizeram antigamente”.

“Há muito conhecimento lá que não devemos esquecer”, acrescentou ela.

“Isto não é uma loja – é uma experiência na comunidade”.

Mais do que uma livraria, a 56A é um espaço onde as pessoas se encontram e convivem.

“Ninguém está envolvido porque eles só querem ocupar e vender livros”, explicou C. “Estamos interessados nas pessoas que vêm e no que elas estão fazendo”.

“56A é como uma sala de estar. Alguns simplesmente aparecem para tomar uma xícara de chá. Outros ficam o dia todo”.

Embora seja um coletivo anarquista, ele enfatizou que o 56A estava aberto a todos. “Este não é um lugar onde você deve sentir que está sendo avaliado ou se preocupar com a possibilidade de dizer a coisa errada”.

“Venha. Seja você mesmo”.

J descreveu por que esses pontos de encontro são valiosos.

“Em Londres, onde há cada vez menos espaços que podem ser acessados sem comprar algo, um lugar como o 56A é muito importante porque não é determinado pelo capital”.

“As comunidades precisam de espaços físicos onde possam estar juntas sem ter que gastar dinheiro”.

“Estamos chegando a um momento crítico de inabitabilidade nesta cidade”, ela continuou.

“Estamos longe de ser um fóssil revolucionário”.

No entanto, há um radicalismo no 56A.

“Se você fosse resumir nossa política, ela é anticapitalista”, explicou C.

“Estamos interessados em alternativas ao sistema atual. Eu sei que isso é difícil, quase impossível. Mas estamos tentando dar exemplos de possibilidades, para ser uma inspiração de algumas maneiras”.

Ele acrescentou: “Você não pode fazer política online. Os movimentos são baseados em duas coisas. Você precisa de outras pessoas com quem fazer as coisas. Você não pode fazer política sozinho. E você precisa de espaços como 56A. É a infraestrutura”.

Em um contexto político em constante mudança, os voluntários observaram que o 56A precisava ser dinâmico.

“Estamos constantemente perguntando quem somos nós, de onde viemos politicamente e o que queremos fazer com o espaço”, disse C.

“É ótimo funcionar como um repositório de ideias”, ele continuou, “mas se você entrar e forem apenas velhos panfletos anarquistas enfadonhos que não significam nada para ninguém, é inútil”.

“O que é incrível nos últimos anos é como as ideias radicais estão sendo reinventadas, particularmente por Black Lives Matter e movimentos anti-abolicionistas, para criticar o poder, a opressão e o Estado”.

“Devemos perguntar se somos relevantes para os jovens envolvidos nessas lutas”.

56A é politicamente ativo localmente. Ao lado de redes de ajuda mútua, organização sindical, solidariedade de prisioneiros e ativismo transqueer, seus membros estão envolvidos na campanha anti-gentrificação ‘Up the Elephant’ e trabalhando contra a escolaridade racista.

“É um futuro sombrio pra caralho, quando você olha para ele macroscopicamente”, disse C. “Mas o 56A deve continuar a existir”.

“Acreditamos que, à sua maneira, este lugar pode fazer a diferença”.

“Isso dá esperança”, acrescentou J.

J.W.E. Askew

Fonte: https://freedomnews.org.uk/2021/05/26/movement-building-community-building-the-anarchist-social-centre-in-london/

Tradução > Da Vinci

agência de notícias anarquistas-ana

livro antigo
o bicho traça
o sonho dos sábios

Alexandre Brito




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org