Julho 14, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
253 visualizações


Uma Homenagem e Um Relato das Lutas no Chile

Luisa Toledo Sepúlveda foi lutadora durante toda sua vida e mãe de três filhos mortos lutando contra a ditadura de Augusto Pinochet. Ela faleceu esta semana após muitas décadas de atividade, tendo inspirado milhares a participarem dos esforços que acabaram por derrubar a ditadura e seu legado. Na presente homenagem, correspondentes no Chile exploram o legado de Luisa Toledo e relatam as cerimônias do seu funeral, que exemplificam o que alguns chamam de “luto rebelde”. Uma das recompensas de participar de lutas sociais é que você se torna parte de algo maior do que você, que pode sobreviver a você. ¡Luisa Toledo Presente!

Há décadas as pessoas em todo o Chile passam o 29 de março, o Dia da Juventude Combatente (Dia del Joven Combatiente), com vigílias e protestos em homenagem aos dissidentes políticos assassinados pela ditadura de Pinochet, e comemorando o papel que os jovens rebeldes desempenham na mudança social. A data marca o dia de 1985 em que dois irmãos, Rafael e Eduardo Vergara Toledo, de 18 e 20 anos, ambos universitários e militantes do MIR (Movimiento de Izquierda Revolucionaria), foram baleados por uma patrulha policial na Estacion Central em Santiago. Uma das razões pelas quais as pessoas relembram este aniversário é o compromisso ativo e contínuo de seus pais, Luisa Toledo e Manuel Vergara, que lembram seus filhos como partidários que participaram das revoltas anti-Pinochet dos anos 1980.

Luisa Toledo Sepúlveda faleceu na terça-feira, 6 de julho de 2021, após lutar contra uma doença crônica. Durante toda esta semana, autoridades eleitas – incluindo a presidente da assembleia constitucional – prestaram homenagem a ela como uma corajosa defensora dos direitos humanos contra a ditadura de Pinochet. Em contraste, gerações de jovens rebeldes a lembram como a mãe da luta combativa, que testemunhou o fato de que foi uma revolta generalizada que acabou com o regime de Pinochet, não uma urna eleitoral. Em cada Dia del Joven Combatiente, assim como no conflito Mapuche em curso pela autonomia territorial e no Estallido social (levante popular) de 2019, ela continuou a jogar luz nas contradições entre democracia e justiça, afirmando a revolta como um caminho para a justiça em face à violência do Estado.

>> Para ler o texto na íntegra, clique aqui:

https://pt.crimethinc.com/2021/07/10/relembrar-luisa-toledo-sepulveda-a-mae-da-juventude-combatente-do-chile-uma-homenagem-e-uma-relato-das-lutas-no-chile-1

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/07/10/chile-santiago-luisa-ja-se-foi-e-a-melhor-homenagem-e-continuar-a-luta-de-rua-e-frontal-contra-este-sistema-de-fome/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/07/07/chile-comunicado-companheira-luisa-toledo-sepulveda-presente/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/07/08/chile-luisa-toledo-presente-agora-e-sempre/

agência de notícias anarquistas-ana

O corpo é um caminho:
ponte, e neste efêmero abraço
busco transpor o abismo.

Thiago de Mello




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org