Março 8, 2021
Do Ultima Barricada
253 visualizações


Autor: Lucía Sánchez Saornil
Publicação original: N/A
Tradução: Batata Pala
Fonte da tradução: Lucía Sánchez Saornil (antologia de textos)

Rua da infância

A curva acentuada da sua esquina para o norte
ancorado nas neves do Guadarrama.

Este foi o mar desconhecido da nossa infância:
imagens azuis inefáveis,
a orelha nas conchas rosa
que adornava a cómoda dos dezanove

Era assim: A esquina ao norte
ancorado nas neves do Guadarrama
—Ou no gelo do Pólo Norte
recentemente deflorado pelo Capitão Cook.
E assim é: ninguém moveu
essas pobres pedras de rua, as mesmas que lixaram
as solas deslizantes dos sapatos de infância.
Uma encosta íngreme nos levou
na velocidade sentida
Para os estranhos reinos das ruas de travessia

Oh, rua da infância, vasto reino!
a uma extremidade remota de oitenta metros
—Campo árido—
entre gritos agudos de corneta,
os corcéis militares trotaram
em rodadas infinitas;
e ao cair da noite
com dores ingénuas
entre os cascos retumbantes
perdemos o pomar em chamas.

Minha boa e infinita rua
redescoberta hoje! …nem feliz nem triste
apenas inefavelmente doce …, ambos os gêmeos
cavalgam na familiar porta,
e lá em cima, na sala de estar,
a mãe esta, como sempre,
entre estranhos, com seus olhos velados,
atenta aos nossos dias:
os dias de trinta anos
assim que eles fizeram para nós e nos desfizeram
e se poliu as pedras um pouco mais.

E aqui estamos; não em sonhos
mas na realidade viva de carne contra pedra,
para negar o tempo
do nosso esqueleto já expirado.
Porque uma unidade fechada e concreta
pesava já imensa
sobre os sapatos de infância
quem não esperava reis vivos
nem sonhados

– Lucía Sanchéz Saornil




Fonte: Ultimabarricada.wordpress.com