Fevereiro 28, 2022
Do Agencia De Noticias Anarquistas
330 visualizações

Ontem, 21 de fevereiro, houve uma reunião extraordinária do Conselho de Segurança da Rússia. Como parte dessa ação teatral, Putin forçou seus servidores mais próximos a “pedir” publicamente que ele reconhecesse a independência das chamadas “repúblicas populares” da LPR (“Luhansk People’s Republic”) e DNR (“Donetsk People’s Republic”) no leste da Ucrânia.

Claramente, este é um passo para uma maior anexação desses territórios pela Rússia – não importa como seja legalmente formalizado ou não. De fato, o Kremlin não considera mais o LNR e o DNR como parte da Ucrânia e finalmente os torna seu protetorado. “Primeiro reconhecimento da independência, depois anexação”: este cenário já foi praticado na Crimeia em 2014. Isso também é óbvio com as reservas estúpidas de Naryshkin na reunião do SB (“sim, eu apoio a integração desses territórios na Federação Russa”). Como a reunião, como se viu, foi gravada e essas “reservas” não foram cortadas, mas deixadas, a dica é clara.

Em um “discurso ao povo” naquela mesma noite, Putin “concordou” com esses pedidos e declarou o reconhecimento do LNR e do DNR como estados independentes. De fato, ele disse o seguinte: “estamos recuperando o Donbass e, se a Ucrânia tentar fazê-lo, deixe-se culpar, não o consideramos um estado, então reivindicaremos ainda mais”. De acordo com o decreto de Putin, as tropas russas já estão sendo enviadas para LNR e DNR. Este é um sinal claro de ameaça para o resto da Ucrânia e especialmente para as regiões de Luhansk e Donetsk que ainda estão sob controle ucraniano. Esta é uma ocupação de fato.

Não queremos defender nenhuma nação. Somos anarquistas e somos contra qualquer fronteira entre os povos. Mas somos contra essa anexação, porque ela apenas estabelece novas fronteiras, e a decisão de fazê-lo é tomada exclusivamente pelo líder autoritário Vladimir Putin. Este é um ato de agressão imperialista da Rússia. Não temos ilusões sobre o estado ucraniano, mas está claro para nós que não é o principal agressor nesta história – não é um confronto entre dois males iguais. Em primeiro lugar, é uma tentativa do governo autoritário russo de resolver seus problemas internos às custas de uma “pequena e vitoriosa guerra de apropriação de terras”.

É provável que o regime do Kremlin faça algum tipo de espetáculo chamado “referendo” nas áreas anexadas. A DPR e a LPR já realizaram tal espetáculo em 2014, mas nem Moscou reconheceu seus resultados. Agora, aparentemente, Putin decidiu mudar isso. É claro que não pode haver “votos livres e secretos” nesses territórios – eles estão sob o controle de gangues militarizadas que são completamente dependentes de Moscou. Aqueles que eram contra essas gangues e contra a integração com a Rússia foram mortos ou forçados a sair. Assim, qualquer “referendo sobre o retorno do Donbass ao seu solo natal” seria uma mentira de propaganda. Os moradores de Donbass só poderão formular sua decisão quando as tropas de qualquer estado – e principalmente da Federação Russa – deixarem esses territórios.

O reconhecimento e a anexação de DNR e LNR não farão nenhum bem para o próprio povo da Rússia. Primeiro, de qualquer forma, levará à militarização de todas as esferas da vida, ao isolamento internacional ainda mais forte do país, às sanções e à queda da prosperidade. A restauração da infraestrutura destruída e a inclusão das “repúblicas populares” no orçamento também não serão gratuitas – são bilhões de rublos que poderiam ter ido para a educação e a medicina. Não duvide: os iates dos oligarcas russos não ficarão menores, mas a vida de todos os outros ficará pior. Em segundo lugar, a provável escalada do confronto armado com a Ucrânia significará mais soldados e civis mortos e feridos, mais cidades e vilarejos arruinados e mais sangue. Mesmo que esse conflito não se transforme em uma guerra mundial, as fantasias imperiais de Putin não valem uma única vida. Terceiro, há uma nova expansão do chamado “mundo russo”: uma combinação maluca de oligarquia neoliberal, poder centralizado rígido e propaganda imperial patriarcal. Essa consequência não é tão pronunciada quanto o aumento do preço dos alimentos e as restrições aos smartphones, a longo prazo é ainda mais perigosa.

Apelamos para nos opormos à agressão do Kremlin por qualquer meio que você considere apropriado. Contra a tomada de territórios a qualquer pretexto, contra o envio do exército russo ao Donbass, contra a militarização. E no final, contra a guerra. Vá para as ruas, divulgue, converse com as pessoas ao seu redor – você sabe o que fazer. Não fique calado. Tome uma atitude. Mesmo um pequeno parafuso pode emperrar as engrenagens da máquina da morte.

Contra todas as fronteiras, contra todos os impérios, contra todas as guerras!

Autonomous Action (Avtonom)

Rússia, 22 de fevereiro de 2022.

Tradução  GTR@Leibowitz__

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2022/02/23/italia-contra-missoes-militares-no-exterior-contra-todas-as-guerras/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2022/02/23/italia-contra-a-guerra-na-ucrania-e-em-outros-lugares/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2022/02/22/internacional-face-a-escalada-militar-a-tensao-e-o-possivel-conflito-belico-na-ucrania/

agência de notícias anarquistas-ana

A lua minguante
procura com quem falar
na boca da noite

Ronaldo Bomfim



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org