Maio 28, 2022
Do Passa Palavra
244 visualizações

Por Funcionários da Escola de Aplicação

A Escola de Aplicação (EAFEUSP) vem, novamente, dar publicidade à FALTA DE PROFESSORES E DEMAIS SERVIDORES CONCURSADOS, situação que, desde o início de 2015, quando foi publicada a 1ª Carta Aberta, continua crítica.

Hoje faltam professores do Ensino Fundamental I, Educação Especial, Artes, Educação Física, Matemática, Geografia, História, Língua Portuguesa, Ciências, Química e Biologia, profissionais para a Orientação Pedagógico-Educacional e Técnicos de Apoio Educativo e Enfermaria. Ao todo, a EAFEUSP PERDEU MAIS DE 20 PROFISSIONAIS CONCURSADOS DESDE 2015.

Algumas dessas vagas vêm sendo preenchidas por contratações temporárias, nas quais os profissionais cumprem jornada de apenas doze horas semanais, o que é insuficiente para que exerçam plenamente a atividade de docência, ficando limitados apenas a lecionar as aulas regulares dessas disciplinas, sem participação nas atividades de recuperação, planejamento, conselhos de classe, reuniões com as famílias, atividades de formação e projetos. E no caso do EF I (1º ao 5º ano), nem a atividade da docência é possível de ser realizada plenamente, pois a carga horária em sala de aula com as turmas é de 16 horas e os contratos precários contemplam apenas 12 horas. Além disso, a curta duração desses contratos resulta na alta rotatividade dos professores. Para se ter uma ideia, o atual 9ºano, por exemplo, teve 5 professores de Ciências em 3 anos. Em 2021, o 5º ano teve 3 professoras de Matemática.

É inadmissível que a Escola de Aplicação continue nesta situação, pois a contratação temporária de professores implica continuamente na interrupção dos trabalhos pedagógicos desenvolvidos e do vínculo dos estudantes com os seus professores.

 EF I (1º ao 5ºano) – Menos 5 professores, nenhum novo concurso.

EF II (6º ao 9º ano) e Ensino Médio – Menos 11 professores, nenhum novo concurso.

EQUIPE TÉCNICO-PEDAGÓGICA – Apenas 2 profissionais, dos sete previstos: Sem Orientadora Pedagógico-Educacional, sem Psicóloga Escolar, sem Professor de Educação Especial, sem Assistente Social. As duas Orientadoras Pedagógico-Educacional acumularam a função de Diretora e Vice-diretora no período de 2018 a 2021, o que resultou em prejuízos a ambas as funções.

FUNCIONÁRIOS – A vaga de um Técnico de Apoio Educativo e de um Técnico de Laboratório ainda não foram repostas. A escola tem  apenas uma enfermeira, o que é insuficiente para atender a demanda dos dois turnos.

PROFESSORES DE EDUCAÇÃO ESPECIAL – Até o ano de 2014 havia uma professora de educação especial efetiva na escola, mas, após a sua saída, não houve concurso para sua substituição. Com o advento da inclusão escolar, o aumento de matrículas de estudantes elegíveis ao serviço de educação especial na escola comum cresceu gradativamente, fator que aconteceu também na Escola de Aplicação.

A EAFEUSP é um patrimônio da sociedade. Faz parte da história e do cotidiano da USP. É um espaço único de educação que tem contribuído para a formação de inúmeras gerações de crianças e adolescentes e de futuros professores, alunos dos Cursos de Licenciatura e Pedagogia da USP e de outras instituições. É um espaço de atuação de muitos bolsistas e pesquisadores que desenvolvem seus projetos em parceria com os professores da EA.

A contratação de profissionais efetivos para a Escola de Aplicação da FEUSP é uma necessidade URGENTE. Pela continuidade do ensino público de qualidade para seus filhos/filhas e para as próximas gerações, divulgue, apoie e junte-se a nós nesta luta!
São Paulo, 23 de março de 2022.

Direção, Orientação Pedagógico-Educacional, Professoras(es) e Funcionárias(os)
Técnico-Administrativos da Escola de Aplicação da FEUSP




Fonte: Passapalavra.info