Junho 13, 2022
Do Colectivo Libertario Evora
193 visualizações

Foto de Sean Pinner e Aidan Aslin, e de outros membros do YPG,, no Curdistão sírio,

Recentemente na zona ocupada pelos separatistas russos da chamada República Popular de Donetsk foram condenados à morte 3 militares do Exército Ucraniano capturados em Mariupol. Um dos condenados é de nacionalidade marroquina e os outros dois, de nacionalidade britânica, tinham anteriormente lutado ao lados dos Curdos contra o Estado Islâmico, na Síria., releva o site anarquista, em língua russa, avtonom.org/.

Sob o título “nazis matam anti-fascistas” este site informa que “no dia 9 de Junho, o chamado tribunal da República Popular de Donetsk (RPD) condenou à morte três cidadãos estrangeiros que são soldados a tempo integral das Forças Armadas Ucranianas (FAU). Eles lutaram contra a agressão russa e foram feitos prisioneiros durante as batalhas por Mariupol. São Saadoun Brahim, cidadão marroquino, Sean Pinner e Aidan Aslin, cidadãos britânicos. Foram acusados de “mercenarismo, tentativa de tomada violenta do poder e de receber treino para levar a cabo actividades terroristas”.”

Segundo o avtonom.org/ “haveria muito a dizer sobre a insanidade deste julgamento, mesmo do ponto de vista da lei burguesa: como pode um dos lados julgar os soldados do lado oposto pelo simples facto de terem participado numa guerra do lado do inimigo? Também se pode dizer que na RPD, a Rússia (que controla a RPD um pouco mais do que na totalidade) está simplesmente a testar o regresso da pena de morte. Na própria Rússia ainda existe uma moratória, mas, como Vlad Barabanov escreveu no seu Canal de Telegram, depois da Federação Russa deixar o Conselho da Europa não há nada que impeça (esta moratória) de ser removida. Se, claro, tudo correr bem no Donbass.”

“Mas, neste caso, isso nem sequer é o mais importante: antes de se mudarem para a Ucrânia, Aidan Aslin e Sean Pinner participaram activamente na guerra contra o Estado islâmico na Síria ao lado das Unidades de Protecção do Povo Curdo (YPG)” – E acrescenta o site. “É simbólico. Lutaram contra o obscurantismo invasor dos fanáticos do Estado Islâmico – lutaram ao lado dos curdos que estão a construir uma sociedade de solidariedade e igualdade, essa sim, uma verdadeira república popular. Podem ser criticados, que o seu modelo não é cem por cento anarquista, mas mesmo assim Rojava e outras áreas do Curdistão sírio são comunidades com um grau de transformações mais próximas desse ideal do que qualquer Estado-nação. E agora são estas pessoas que combatem o avanço do imperialismo russo na Ucrânia. Contra todo o inferno que acompanha o chamado mundo russo: violência, autoritarismo, ignorância militante, patriarcado, isolacionismo. “

Para os anarquistas russos “o que aqui é simbólico é que a falsa “república do povo” (de Donetsk) está agora a tentar matar aqueles que lutaram pela verdadeira república do povo. As mentiras estão a exigir a execução da verdade, as autoridades fantoches fascistas estão a condenar anti-fascistas para os executarem. Não estamos, evidentemente, familiarizados com as opiniões políticas de Saadoun, Pinner e Aiden (embora muita gente de esquerda e anarquistas tenham lutado e estejam a lutar do lado curdo). Mas, na realidade, o combate que travaram insere-se na luta anti-fascista. O verdadeiro fascista nesta guerra é apenas um – e esse é o governo de Putin que ocupa o Kremlin”.




Fonte: Colectivolibertarioevora.wordpress.com