Abril 5, 2022
Do Squat.net
152 visualizações

Jantar Benefit Okupa Braço de Prata, Disgraça, Rua da Penha de França 217 B, Lisboa.

Ontem dia 23 de fevererio mais uma casa abandonada à que um grupo de pessoas tinha devolto à vida foi despejada sem ordem do tribunal. Os supostos proprietários do prédio, situado no Braço de Prata e que se encontrava abandonado e em processo de degradação, apareceram por volta das 5pm com a polícia ao perceber que havia pessoas a morar ali. Depois duma tentativa falida de negociação com a propriedade, uma pessoa que se encontrava no local saiu ao exterior para passar uma ligação dum advogado a um agente da polícia. Os agentes identificaram esta pessoa e não devolveram o passaporte. A conversa sobre a devolução do passaporte acabou com a detenção de esta companheira, momento em que os agentes da polícia e os donos foram embora para a esquadra n. 14 de Chelas. Uma vez lá, os companheiros que foram apoiar não obtiveram informações sobre de que era acusada a companheira ou quando poderia ser libertada. Ao serem perguntados sobre a necessidade de apresentar uma ordem de despejos, os agentes disseram que ocupar é um delito e não é necessária ordem do tribunal.

Bem vinda à Zizania, centro social ocupado em Victoria, na Fylis e Feron. Que seja um espaço da vizinhança para auto-organização, intervenções sociais, resistência coletiva e construção comunitária. Vamos nos encontrar nesse espaço para compartilhar pensamentos, comida, café, roupas e o que mais a gente possa imaginar. Para trocas livres e cortes de cabelo gratuitos, para exibições, para aprender e ler, para oficinas e encontros/reuniões/assembleias. Vamos celebrar esse espaço como um passo na direção de mais espaços públicos, vamos fazer o melhor dessa oportunidade, já que somos quem molda e assume nossas lutas e não devemos depender nem de outras pessoas, nem de instituições, nem de melhores condições para fazer isso.

Com a Zizania nós miramos em primeiro lugar criar um espaço de respiro do racismo, sexismo, capitalismo e violência do estado e da sociedade. Nós vislumbramos um espaço de interação e troca entre pessoas de diferentes histórias, origens, identidades e idades, que falem línguas diferentes e tenham opiniões diferentes. Essas são condições que nós devemos criar e concretizar juntas, através de encontros, fortalecendo as relações dentro e entre nossas comunidades e conectando nossas lutas. Por muito tempo nós estivemos apenas sonhando sobre alguma coisa assim – com certeza não éramos as únicas pessoas – e agora queremos agir. Nesse espírito, te convidamos a trazer suas questões, ideias, iniciativas, e lutas para discutir como podemos construir esse espaço juntas.

Hoje, em homenagem ao dia 8 de março, nós do Grupo Anarcha-Feminista de Amsterdã, organizamos uma ação de ocupação acompanhada de uma manifestação. Por questões de segurança, ela foi organizada silenciosamente, com chamadas sendo compartilhadas em canais privados. Apesar disso, mais de 60 camaradas vieram apoiar nossa ação! 3 faixas (“Liberdade para a vida da mulher”, “Trabalho sexual é trabalho”, “Destrua o patriarcado, lute contra o capitalismo, destrua o estado”) foram lançadas acompanhadas de sinalizadores das janelas do prédio ocupado. A polícia esteve presente, mas ninguém foi preso.

Nossa declaração política:

Somos informados de que não há casas suficientes para todos, que não há espaços suficientes para os refugiados e imigrantes que vêm para cá, fugindo das guerras imperialistas e das economias destruídas pelo (neo) colonialismo. É inaceitável que a mídia culpe a imigração pelo fato de que todos parecemos lutar para encontrar um lar. Este é um exemplo de imigrantes e refugiados sendo usados como bode expiatório.
Não há problema de falta de espaço, não há “crise habitacional”, o único problema é a distribuição desigual da riqueza. O problema é o capitalismo.
Estamos sendo empurrados para fora de nossa cidade pelo aumento dos preços dos aluguéis e pela gentrificação. As habitações sociais estão sendo vendidas de forma privada e a falta de moradias populares significa que a classe trabalhadora é forçada a deixar a cidade. Mesmo pessoas com profissões essenciais, como professores, assistentes de saúde e assistentes sociais são forçadas a se mudar. As pessoas lutam para pagar seus aluguéis, enquanto os especuladores têm liberdade para fazer o que quiserem. Alguns investidores privados têm centenas de casas, por exemplo, o príncipe Bernhard tem mais de 600 casas, e o proprietário deste edifício, Anthonie Mans, possui mais de 100 outras propriedades na Holanda. As listas de espera para a habitação social são ridículas e podem levar de 8 a 14 anos para as pessoas conseguirem uma vaga. Mas, para cada morador de rua, estima-se que haja 750m² de espaço vazio em Amsterdã.

Há cerca de duas semanas, uma casa em Kinkerbuurt foi novamente ocupada. O prédio ficou vazio por mais de um ano depois que os ocupantes anteriores foram convidados a se retirar, pois supostamente seria demolido e substituído por quatro apartamentos de luxo. O reassentamento foi feito silenciosamente e depois de alguns dias os policiais reconheceram a paz doméstica dos ocupantes.

Uma mensagem dos ocupantes:
Somos contra o Estado, o patriarcado, a violência policial, o capitalismo e todas as formas de hierarquia e opressão. Vamos nos defender, e nosso direito de existir e viver da maneira que queremos. A gentrificação é um ataque direto às nossas comunidades, nosso sustento e nossa liberdade de estar na cidade. Somos queer, feministas, antifascistas e estamos cansadas dessa merda. Nossos espaços livres estão sob ataque em todos os lugares e não ficaremos assistindo em silêncio sua destruição. A hora de ocupar, resistir e atacar é agora. A pandemia teve um efeito desproporcionalmente negativo sobre a classe trabalhadora, mulheres, pessoas queer, BAME e outros grupos marginalizados. Não nos deixaremos ser o dano colateral desta crise. Nós cuidamos de nós. Somos solidários às mulheres e às pessoas queer em todos os lugares, lutando contra o capitalismo e o patriarcado. Solidariedade aos nossos vizinhos da Liebig34. Nosso movimento é internacional, não pode ser despejado pelo Estado ou contido dentro das fronteiras nacionais.

“Não tenho certeza qual é o fatal segredo“, Mathilde no Castelo de Otranto

A recente campanha da mídia contra a ocupação de casas não foi a primeira, mas uma das mais intensas dos últimos tempos. Seu lançamento, na véspera de uma provável intensificação do conflito habitacional, não parece ser uma coincidência. A crise econômica e sanitária colocou os setores envolvidos em alerta, e isto parece ser um primeiro movimento de um dos lados. Esta campanha está começando a ter respostas, especialmente sob a forma de artigos e redes sociais. Nessas respostas, foi relatado que o fenômeno da ocupação de casas é menos difundido do que a mídia sugere com um tom alarmista. Os dados e estatísticas reforçam este relatório. Além disso, houve críticas, com razão, de que a okupação está sendo deliberadamente confundida com arrombamento de casas. Finalmente, foi feita uma tentativa de reorientar o debate sobre o problema do acesso à moradia, que é a principal causa da ocupação da propriedade.

A tensa situação de calma que estamos vivendo parece ser o prelúdio para um maior conflito social, também em torno da questão com a qual estamos lidando. É por isso que as respostas defensivas são essenciais, mas seria melhor tentar ir um pouco mais longe e tomar a iniciativa no conflito, para isso pode ser útil examinar aspectos menos visíveis ou menos explorados. Além disso, diante de campanhas deste tipo, os dados e estatísticas geralmente são apenas meio úteis, porque o que está em jogo aqui é se ocupar ou não casas e instalações é legítimo.

Em 16 de setembro passado se voltou a deixar claro que a solidariedade e a ação direta é a melhor arma que dispomos como meio de defesa frente ao Estado e a repressão. Por volta de 150 pessoas de Vallekas e outros bairros da cidade se plantaram na porta do Ateneu Libertário de Vallekas para impedir o desalojo do espaço. Não se trata só do desalojo de um espaço, é a defesa da ocupação como ferramenta de luta na guerra social, como ferramenta para criar com nossas próprias mãos, a margem de partidos e instituições, espaços de luta, encontro e aprendizagem.

E o conseguimos graças a todos e a todas. Contamos com uma pequena exibição de jornalistas, vans da polícia municipal e o delegado do distrito. Devido à fluência de solidárias, a secretaria judicial não teve outro remédio senão passar direto. Agora, qualquer dia e sem aviso prévio, o Ateneu pode ser desalojado.

Hoje, dia 15 de setembro, recebemos correspondência do oficial de justiça T. Knop. Eles ameaçaram despejar o Liebig34 na sexta-feira, 9 de outubro, às 7h! Não vamos deixar isso acontecer!

Como é possível que uma tentativa de despejo esteja sendo planejada mesmo sabendo-se publicamente que uma associação diferente da do réu está presente nos quartos?

Como é possível que, em tempos em que uma segunda onda de Corona e #StayHome é esperada, uma casa seja despejada com tantas pessoas?

Como é possível que, especialmente agora, em tempos de marchas fascistas e uma mudança para a direita, um projeto de casa feminista, de esquerda e Queer esteja sendo atacado de forma tão massiva?

Estamos com raiva, mas determinados.
Não vamos desistir do Liebig 34 sem mais delongas.
Apoiem-nos em nossa luta.
Venham às assembleias gerais, irritem os políticos e os proprietários.
Sejam criativos! Vamos fazer da tentativa de despejo um desastre!

Nesta manhã (17 de agosto), por volta das 5 da manhã, a escória da polícia grega invadiu o Terra Incognita em Tessalónica, um prédio ocupado desde 2004 que é um marco da luta e do movimento anarquista na cidade.

Os policiais fizeram o despejo do edifício, confiscando os equipamentos técnicos e materiais, e uma grande parte dos recursos internos.

Especificamente, foram confiscados os materiais das seguintes instalações anarquistas abrigadas no prédio: o material médico e de primeiros socorros, a quadra de esportes, a biblioteca e o material de impressão, bem como um grande arquivo de cartazes e outros materiais impressos que datam de várias décadas atrás.

A Kasa Invisível é um conjunto arquitetônico construído na década de 1930 no coração da cidade de Belo Horizonte (Brasil) . Ocupada em 2013 por um coletivo autônomo e autogerido, a proposta da Kasa é ser um espaço de moradia e um centro social com atividades gratuitas abertas a toda comunidade.

Para seguir nossas atividade e nos preparar para as próxima chuvas, lançamos essa campanha. A Kasa  Invisível precisa pagar pelos matérias para as próximas obras no telhado, nas calhas, além de mão de obra e custos de transporte. Precisamos também melhorar a instalação elétrica e hidráulica, recuperar pisos e paredes, adaptar portas e passagens para acessibilidade.

Na sexta-feira 26 de junho, em Exarcheia, o Estado grego evacuou e fechou com blocos de concreto a okupação Dervenion 56 e o prédio na rua Dervenion 52. Imediatamente, um encontro solidário foi realizado na Praça Exarcheia por várias horas. Na noite do mesmo dia, foi realizada uma marcha solidária com a participação de aproximadamente 300 pessoas. A marcha terminou na okupa Dervenion 56, barricadas foram erguidas ao redor do perímetro e, em seguida, camaradas quebraram a marretadas os blocos de concreto da vergonha. A polícia nunca chegou e depois de algumas horas os manifestantes foram embora. Policiais da tropa de choque fizeram novamente uma operação na manhã seguinte, construindo novamente um muro de concreto em frente à porta da okupação. Segundo relatos, nos dias seguintes, várias ações de solidariedade aconteceram e uma manifestação ocorreu na principal rua comercial de Atenas, Ermou, onde slogans foram gritados, e aparentemente algumas pessoas atacaram lojas de grife multinacionais em Ermou no ocupado – pela polícia – centro de Atenas. Mesmo o rico yuppie sobrinho do primeiro-ministro, o prefeito de Atenas, Costas Bakogiannis, não conseguiu escapar da raiva causada pelas evacuações. O pioneiro da gentrificação violenta e seus guarda-costas foram atacados com cafés e outros itens por dezenas de pessoas em um festival local religioso. Nos dias seguintes, realizou-se novamente uma marcha em Exarchia, onde os camaradas demoliram as paredes das okupações de imigrantes seladas em Themistokleous 58 e Spirou Trikoupi 15. Todos esses dias, textos de solidariedade foram escritos e faixas foram colocadas em vários locais na Grécia.




Fonte: Pt.squat.net