395 visualizações


No Paquistão, Karachi Bachao Tehreek (KBT), uma aliança de ativistas locais que lutam contra despejos e apropriação ilegal de terras, informou que funcionários da cidade de Bahria, guardas particulares da cidade e a polícia da província de Sindh entraram em vários godos [pequenos bairros povoados principalmente pela etnia Sindhi] com maquinaria pesada em 7 de maio, com a intenção de invadir ainda mais as terras dos indígenas pobres.

Abdul Hafeez, membro da Aliança pelos Direitos Indígenas de Sindh, disse ao jornal Dawn que os guardas e a polícia tentaram destruir as plantações com bulldozers em Kamal Khan Jokhio Goth. Os membros da comunidade responderam com atos de resistência contra os intrusos. Depois que uma pessoa lançou uma pedra no pessoal da cidade de Bahria, os guardas começaram a atirar nos aldeões.

O ativista indígena Shaukat Khaskheli foi baleado, mas foi levado a uma delegacia de polícia em vez de um hospital por agentes da lei. Outros aldeões foram raptados e torturados pelos guardas da cidade de Bahria por seus atos de resistência e recusa de permitir que a cidade de Bahria roubasse suas terras. (Dawn, 9 de maio)

O último ataque bárbaro à cidade de Bahria é paralelo aos horríveis esforços capitalistas que acontecem em outros lugares do Paquistão.

A guerra permanente da classe dominante paquistanesa contra os trabalhadores pobres está focada na promoção da comercialização e da modernização corporativa. Um de seus ataques mais flagrantes à classe trabalhadora foi sua campanha de 2019 para expulsar os chamados “invasores” que ocupavam estruturas “ilegais”. Na época do lançamento do programa anti-invasões, 30-40 por cento da economia de Karachi consistia em mercados informais que atendiam os trabalhadores pendulares e turistas, proporcionando meios de subsistência para cerca de dois milhões de pessoas.

Entretanto, isso não impediu que funcionários do governo demolissem as empresas e as casas das pessoas. No Empress Market, um dos mercados mais conhecidos de Karachi, pelo menos 1700 lojas e bancas foram destruídas durante a campanha anti-invasão.

Um relatório de março de 2019 expôs as seguintes informações: “Até agora, foram demolidas 3.575 lojas, afetando diretamente nada menos que 17.500 trabalhadores, se considerarmos uma média de cinco pessoas ligadas a cada loja. O número afetado sobe para 140.000, se considerarmos que cada trabalhador tem sete dependentes”. (Dawn, 12 de março de 2019)

O tumulto contra os trabalhadores continua, mesmo durante uma pandemia global.

Em fevereiro, a Corporação Metropolitana de Karachi (KMC), o órgão que supervisiona as ações de despejo, anunciou sua intenção de lançar uma nova campanha perto de Orangi Nala e Gujjar Nala, pequenos riachos efêmeros em Karachi. O CMK alegou que o despejo de cerca de 14.000 casas e 3.000 instalações comerciais era necessário para ampliar os drenos para que eles pudessem melhorar o “fluxo suave da água da chuva”, especialmente durante as enchentes. (Samaa TV, 25 de fevereiro)

Entretanto, havia mais motivos insidiosos para despejar trabalhadores de seus meios de subsistência e de suas casas.

A advogada popular Abira Ashfaq revelou que os despejos forçados são realizados para transferir os direitos de gestão de terras “[a empresas de construção e ao Banco Mundial para que [eles] possam] lucrar com isso”. (The News International, 22 de março) O consultor de pesquisa da KBT, Fizza Qureshi, descobriu que os dados utilizados pelo CMK para justificar sua ânsia em roubar da classe trabalhadora eram defeituosos.

Referindo-se ao Gujjar Nala, “as recentes inundações urbanas em Karachi não foram causadas pelo Gujjar Nullah [drenagem], mas pelos condomínios fechados e grandes praças que tinham sido construídas nos deltas do rio e atendidas exclusivamente pela elite”.

Desalojamentos forçados na Índia

Do outro lado da fronteira na Índia, as pessoas continuam a sofrer imensos traumas e violência causados pelos mecanismos legais e extralegais usados para lucrar com a pandemia da COVID-19. Junto com a violência estrutural, incluindo o apartheid de vacinas, as pessoas na Índia continuam a enfrentar a ameaça de despejos forçados.

No ano passado, mais de 20.000 pessoas foram despejadas entre 16 de março e 31 de julho, apesar de ordens judiciais proibindo despejos durante o fechamento da COVID. Na Índia de hoje, 15 milhões de pessoas enfrentam a possibilidade de despejo.

Sob o capitalismo, os trabalhadores continuarão a sofrer porque este sistema não quer e não pode fornecer a infraestrutura necessária para garantir o bem-estar e a segurança de todos os trabalhadores. O capitalismo mata. Seus efeitos são claramente evidentes nos atos abertos de terror da classe dominante contra os trabalhadores.

O governo da cidade de Bahria invadindo comunidades indígenas pobres e infligindo violência sobre elas é um reflexo do governo nacional do Paquistão e das forças externas rotulando os trabalhadores como “invasores” e removendo os assentamentos “ilegais”.

As campanhas de despejo forçado que estão sendo realizadas na Índia deixam as pessoas sujeitas ao despejo obrigatório praticamente a qualquer momento. Em todas as situações, a classe dominante quer apenas uma coisa: lucros. A pandemia e as expulsões forçadas continuarão a afetar principalmente os trabalhadores.

Devemos construir solidariedade internacional e resistência contra os contínuos ataques à nossa classe.

Fonte: https://www.workers.org/2021/05/56503/

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana

Olhar esquivo
corpo ondulante
sonho vivo

Eugénia Tabosa




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org