Novembro 23, 2020
Do Reporter Popular
287 visualizações


Durante o mês de novembro, acompanhamos mobilizações de entrevistadoras e entrevistadores dos Centros de Referência em Assistência Social (CRAS) de Porto Alegre, contratados de forma terceirizada pela empresa Lazari Serviços de Gestão de Mão de Obra LTDA. A causa da luta foram os atrasos de salários, não pagamento de direitos básicos como vale-transporte, férias e rescisões.

Leia mais:

Trabalhadores do Cras exigem pagamento de salários pela empresa Lazari

Descaso com terceirizados dos CRAS reflete no atendimento ao público

Em POA, terceirizadas da FASC protestam novamente contra atraso de salários

A batalha dessas trabalhadores e desses trabalhadores ainda não terminou. Alguns salários seguem atrasados e uma nova empresa não foi contratada para que as entrevistadoras e entrevistadores possam voltar a trabalhar.

Por isso, esses e essas terceirizadas compartilharam uma carta com a população para informar sobre a luta que é travada e como esses ataques a seus direitos impactam o atendimento à população de POA:

A precarização do trabalho e o sistema de exclusão

Foi em novembro, às vésperas do final do mandato de Marchezan, através de muita luta, que trabalhadoras e trabalhadores entrevistadores ssociais conseguiram dar um basta no longo período de descaso e desrespeito que vinham sofrendo. Mesmo empurrados para a lógica de mercado, da precarização, exclusão e da supressão de direitos, os mesmos resistiram!

A notícia: “a Lazari sumiu!”. A empresa, que até então era a responsável pelo repasse dos nossos salários, vinha há meses em descumprimento com o contrato empregatício. Em choque, os trabalhadores seguiram com as mesmas reivindicações de meses anteriores:

  • Regularização do dia do pagamento e repasses de salários atrasados, os quais os últimos dois meses (outubro e novembro) não recebemos;
  • Pagamento do ⅓ de férias e do vale-transporte;
  • Pagamento das rescisões dos trabalhadores que foram desligados da empresa.

Além disso, com a Covid-19, os trabalhadores tiveram que arcar do próprio salário com os EPIs (Equipamento de Proteção Individual) para garantirem o mínimo de segurança nos locais de trabalho, por, no mínimo, um mês e meio, sendo que diversos trabalhadores foram infectados por Coronavírus nos CRAS.

Como se não bastasse todo cenário nefasto, em setembro muitos trabalhadores foram contaminados pelo vírus e já passávamos do 15º dia do mês e nada de receber nossos salários. Nos vimos na metade do mês sem nossos salários, sem ter direito do mínimo que seria a cesta básica disponibilizada pelos CRAS, pelo fato de executarmos nosso serviço dentro de uma política da Assistência Social.

Desesperados, os trabalhadores se deslocarem até a sede da Lazari no município de Montenegro, em mais de uma oportunidade, e encontraram tudo fechado. Telefonemas não eram mais atendidos, e-mails não eram respondidos e todos esses movimentos sendo notificados à gestão da FASC. O proprietário da Lazari, Tiago Feron, foi notificado a prestar declaração, mas nunca foi encontrado.

Nesse mesmo período, Marchezan reiterava que o trabalho da Assistência Social era essencial para a cidade de Porto Alegre.

A indignação dos trabalhadores só aumentava: “Até quando seremos desrespeitados, humilhados, violentados pelo Estado?”. Nenhuma resposta.

Cansados de tantas incertezas, da falta de respostas para suas questões que já não eram novas e percorrendo um ano de muita exploração, com condições de trabalho cada vez mais precárias, a busca foi pelo fortalecimento enquanto trabalhadores na garantia dos seus direitos!

Mesmo com a falta de posicionamento do Sindicato dos Empregados em Entidades Culturais, Recreativas, de Assistência Social, de Orientação e Formação Profissional (SENALBA), mas com a solidariedade do Conselho de Representantes Sindicais (CORES FASC) e Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (SIMPA), mostramos que a solidariedade de classe é necessária e potente e que só através da nossa luta conseguimos garantir o que é nosso por direito. Mostramos ainda que a terceirização só precariza as relações de trabalho, diminui nossos direitos trabalhistas e desmonta as políticas públicas.

Com tudo que vivemos, avaliamos que a força para tal movimento se potencializou com a nossa união e o colapso tão anunciado pelos trabalhadores do Cadastro Único aconteceu. Os 55 trabalhadores ficaram sem emprego, sem salário porque os irresponsáveis da empresa Lazari desapareceram.

A denúncia existia há tempos, mas não havia mobilização efetiva contra o descaso da Lazari e da gestão da FASC. Não houve uma preocupação, de fato, com os trabalhadores mais precarizados da Assistência Social de Porto Alegre, na sua grande maioria mulheres, e que exercem um papel essencial para a população trabalhadora de Porto Alegre.

Nossa classe vem sentindo na pele os ataques dos governos e patrões e ainda temos que ouvir que deveríamos “agradecer por ter um trabalho” ou ainda “cuidem bem as reclamações, pois há mais motivos para agradecer do que reclamar”.

Pois bem, demos o recado, fizemos luta! Por necessidade, cruzamos os braços e dissemos BASTA!

Fomos para a frente da FASC, reivindicamos melhores condições de trabalho e na luta conseguimos garantir o que é nosso direito de fato, nossos salários, a possibilidade de garantia dos nossos empregos e uma nova empresa que ao menos cumpra com o mínimo dos direitos trabalhistas.

Seguimos acompanhando cada trabalhador na luta por seus direitos e na busca por seu emprego. E não aceitaremos perseguição de nenhum tipo!

Cabe registrar que tudo isso foi possível porque nos unimos em um período tão difícil para a classe trabalhadora. Vivemos na prática a importância da unidade na luta, da solidariedade de classe e da força que temos! Seguiremos unidos, mobilizados e atentos contra qualquer descaso às trabalhadoras e trabalhadores da FASC, terceirizados e concursados, contra os ataques de qualquer governo que ouse arrancar qualquer direito da nossa classe!




Fonte: Reporterpopular.com.br