Setembro 30, 2021
Do Colectivo Libertario Evora
300 visualizações


“Parti para este trabalho de investigação com uma ideia muito difusa do que iria encontrar. As leituras feitas aos longos dos anos nos livros encontrados em bibliotecas, feiras do livro, alfarrabistas, associações (muitos deles descobertos na saudosa “Abril em Maio”, em Lisboa), livrarias (importante, pela pertinência do seu acervo, a “Letra Livre”, também em Lisboa) aguçaram-me a curiosidade e cimentaram-me a convicção de que este seria um terreno fértil para desenvolver investigações futuras. Sabia que o movimento libertário se inicia e fortalece no nosso país a finais de século XIX, princípios de XX, que tinha semeado raízes no movimento operário da altura e que tinha tido uma ampla disseminação territorial (nomeadamente no mundo rural). Adivinhava, ainda, que estes movimentos sociais, de base libertária e igualitária, envolvidos em ações de caráter emancipatório e revolucionário consagrariam um papel fulcral às questões educativas.

O confronto com uma revisão bibliográfica mais sistematizada, bem como a exploração do material empírico, levou-me a concluir que este foi um movimento de grande extensão e que penetrou profundamente na ação do movimento operário de inícios do século XX, em Portugal. De igual modo, são profusas as alusões e referências às questões educativas, nomeadamente n’O Sindicalista, mas também em toda a literatura consultada e produzida pelas entidades militantes da época. Reflete-se e aventam-se propostas de como se deve fazer a educação entre as classes trabalhadores, que se querem autónomas e emancipadas. E a grande novidade (e surpresa) está, não em muitas das ideias pedagógicas preconizadas (muitas delas também discutidas por pedagogos e movimentos pedagógicos não libertários e deles contemporâneos), mas sim na efetiva materialização dessas mesmas ideias em experiências concretas (da qual, em Portugal e de âmbito escolar, a mais conhecida possa ser a ensaiada na Escola Oficina Nº1). Num pensar e fazer, agora, não esperando pelo amanhã, tão caracteristicamente libertário.”

Maria Gabriela dos Santos Lourenço, in

Ideia(s) e Movimento(s): Sindicalismo Libertário e Educação, tese de Mestrado em Ciências da Educação, 2015,




Fonte: Colectivolibertarioevora.wordpress.com