Janeiro 23, 2021
Do Reporter Popular
286 visualizações


Adaptado de texto do Coletivo Pintelute Desterro.

A gestão de resíduos das grandes cidades brasileiras é um negócio muito lucrativo e não é de hoje que a administração de Florianópolis tenta entregar o setor do serviço público municipal nas mãos da iniciativa privada. No dia 15 de janeiro, o prefeito Gean Loureiro (DEM) encaminhou à Câmara de Vereadores projetos que visam a retirada de diversos direitos conquistados pela categoria de trabalhadoras e trabalhadores do setor, bem como a abertura para a terceirização de diversas rotas da coleta de lixo. Gean afirmou considerar os salários dos servidores (de R$1.300 a no máximo R$2.500 reais com benefícios) como muito onerosos ao orçamento municipal e desigual em relação aos demais servidores. Um mês antes, no entanto, o prefeito sancionou uma lei que aumentava o seu salário para R$27.740 reais. Fica evidente que o que se pretende com esses projetos é precarizar o serviço público e as condições de trabalho de trabalhadores e trabalhadoras!

A Comcap é uma autarquia da prefeitura de Florianópolis que há mais de 40 anos atua na coleta de lixo, gestão de resíduos e limpeza urbana de todas as regiões da cidade. Na terça-feira (19), foi anunciada no Diário Oficial do município a empresa contratada por Gean para assumir uma parte das rotas da coleta de lixo. No entanto, o grupo Amazon Fort Soluções Ambientais acumula diversas denúncias recentes de adulteração na pesagem de lixo, poluição e superfaturamento de licitações.

Diante desses ataques, foi aprovada em assembleia na última quarta-feira (20) a deflagração de greve por tempo indeterminado e uma agenda de lutas em defesa do serviço público pelos servidores e servidoras da Comcap. Apesar das pressões do gabinete do prefeito e da presença da Polícia Militar nos espaços de organização da categoria, ela segue forte na luta contra a sua privatização e conta com o apoio da população de Florianópolis.

Arte do Coletivo Pintelute Desterro.

A foto da capa é de Jahi Pronsato/UP.




Fonte: Reporterpopular.com.br