Outubro 7, 2021
Do Agencia De Noticias Anarquistas
332 visualizações


Por Oliver Walkden | 30/06/2021

Quando John Cage escreveu 4’33”, a notória composição que abalou silenciosamente a América burguesa nos anos 1950, ele a imaginava recebida por um público africano, ou interpretada por músicos africanos? As primeiras exibições da peça no continente aconteceram na África do Sul. Uma foi interpretada por um homem branco dos Estados Unidos e outras instâncias foram executadas privadamente nas universidades de elite do país.

Embora o imperialismo possa ter se manifestado indiretamente nesses recitais, algumas das obras de Cage tinham conotações coloniais mais gritantes. Como um dos percussionistas mais requisitados da América, ele foi contratado para escrever música “primitiva” inspirada na Ásia e na África para uma apresentação em Seattle nos anos 1940. A apropriação indébita e os abusos culturais como esse continuam a enfurecer as comunidades indígenas e seus aliados.

O coletivo e selo Indigenous Resistance (Resistência Indígena) é um desses grupos. Com membros localizados ao redor do globo, a intervenção mais recente do coletivo é “When Silence Rises from Earth”, um curta-metragem de uma performance única de 4’33” filmado em seu Dub Museum em Kampala, Uganda (o centro de suas operações). Menos uma performance do que uma cerimônia silenciosa para preparar o tradicional tambor djembe, ela é significativa em sua autonomia do mundo institucional de financiamento corporativo, festivais de música, ambiente acadêmico e cenas de arte de vanguarda.

O conceito veio a eles em uma visão. “Ele também veio de um desejo – um desejo de equilíbrio”, disse o grupo, falando em conjunto e anonimamente. “Tal como acontece com o dub reggae, o 4’33” de Cage tem sido frequentemente discutido por seu uso do silêncio como uma fonte de experiência mística. Optamos por adaptar a composição de Cage e enfatizar uma dimensão política, ao mesmo tempo que enviamos a mensagem de que o ativismo político requer uma prática espiritual.” Então, segue seu mantra e chama às armas: “Em silêncio nos preparamos.”

A remoção e opressão indígenas fizeram parte da história de muitos países, e a luta continua até hoje. Os membros do IR estão particularmente preocupados com os papuásios ocidentais originais que foram anexados pelo Estado indonésio e com o povo Rohingya que foi desalojado de suas casas em Mianmar. Cada um dos membros do IR tem uma “história pessoal de estudo dos sistemas coloniais e neocoloniais de opressão e resistência anticolonial”, bem como “anarquistas e outras filosofias, tradições e expressões culturais politicamente radicais.” Eles querem cortar o barulho do capitalismo ocidental para exigir seus direitos humanos por meio do ativismo baseado na experiência vivida e no conhecimento tradicional.

Embora o trabalho de Cage não abordasse explicitamente o (pós) colonialismo, ele compartilha alguns preceitos fundamentais com IR: um compromisso com o ruído politicamente carregado, a escuta socialmente engajada e a centralidade da percussão. O grupo observa que, quando os africanos foram escravizados, seus tambores foram proibidos e confiscados. “Os proprietários de escravos e plantações reconheceram claramente que os africanos eram capazes de se comunicar usando aqueles tambores e temiam que essas comunicações pudessem levar a revoltas”, afirmam. “A música vem com um código que tem o poder de organizar as pessoas. É uma ameaça à estrutura de poder.”

O lendário encontro de Thomas Sankara e Fela Kuti veio para simbolizar essa convergência natural do musical e do político para a Resistência Indígena. O primeiro foi o líder socialista de Burkina Faso que desafiou a exploração e o elitismo colonial francês, mesmo depois que a independência foi assegurada. Sua política revolucionária complementou o Afrobeat anti-establishment de Fela durante os anos 1980, mas sua camaradagem foi rompida quando Sankara foi assassinado aos 37 anos. (Um dos grupos que lançam no IR é Sankara Future Dub Resurgence, nomeado em homenagem óbvia.)

Todos os lançamentos da Resistência Indígena se encaixam amplamente na categoria “dub”, mas quando questionados sobre sua relação com o subgênero, a questão foi invertida. “Para a IR, dub não é uma coisa – é a qualidade de uma coisa, a qualidade de dub de qualquer coisa. Vivemos em um mundo onde a música, bem como outras formas de resistência, protesto e linguagem de justiça social, são institucionalizadas, neutralizadas e desvitalizadas na corrente branca capitalista colonial. Dub é o lado B desses momentos de assimilação e cooptação. Trata-se de fermentar a revolta, fazendo tremer a Babilônia. Isso lança nossas percepções de como as frequências sônicas podem e devem ser usadas em total desordem”, dizem eles.

Produtores como Ramjac, The Fire This Time e Dhanghsa, também conhecido como Dr. Das da Asian Dub Foundation (bem como convidados como Adrian Sherwood, Jah9 e Herman Soy Sos Pearl), há muito exploram o lado mais pesado e industrial do dub. Os lançamentos da IR são quase austeramente eletrônicos, deixando de lado as raízes reconfortantes do reggae em favor de uma artilharia sônica devastadora. É uma filosofia compartilhada pela inspiração nominal do IR, a inovadora equipe de techno de Detroit, Underground Resistance, que se opôs igualmente ao opressor sistema de poder da Babilônia.

Ambos os grupos fazem referência ao Afrofuturismo, mas onde a iconografia e estética de UR eram amplamente mitológicas, o trabalho da IR é baseado em eventos históricos – casos violentos de expropriação de terras, extração de recursos e genocídio cultural, bem como tradições pré-coloniais que eles insistem que estão vivas, não mortas. Uma história que aparece com frequência em sua discografia é a de Galdino Jesus dos Santos: líder da tribo Pataxó no Brasil que foi queimado até a morte em 1997 pelos filhos de juízes e advogados de elite em Brasília. “Eles receberam tratamento privilegiado durante o tempo que passaram na prisão enquanto aguardavam julgamento”, diz o coletivo IR. “Eles receberam sentenças incrivelmente leves e logo estavam de volta às ruas, festejando na praia sem remorso.”

A Resistência Indígena contribui para essas tradições vivas com obras originais de palavras, sons e poder (para usar uma frase do Rastafarianismo). Assim como seu desprezo por fronteiras, seu processo artístico flui entre e através das mídias. Eles fizeram documentários, gravaram podcasts e organizaram pinturas murais em cidades de todo o mundo. Seu último lançamento, Eritrea Dub Journey, é um e-book e trilha sonora de 300 páginas que leva o ouvinte em uma jornada pelos “mundos dub da Eritreia, Etiópia, Vietnã, Marrocos, Senegal, Jamaica e Ilha da Tartaruga.” Mas, em última análise, onde quer que eles andem, eles sempre voltarão a soar como o meio principal para sonhar com um futuro mais parecido com nosso passado pré-colonial.

“Um lançamento da IR não precisa ser atemporal”, dizem eles. “Só precisa ecoar no tempo. Porque, às vezes, leva muito tempo para uma mensagem chegar até nós do lado B do mundo.”

Fonte: https://daily.bandcamp.com/label-profile/indiatric-resistance-label-profile

Tradução > abobrinha

agência de notícias anarquistas-ana

Quietude no jardim –
O beija-flor descansa
na ponta do galho

Alvaro Posselt



on Twitter


on Facebook


on Google+




Fonte: Noticiasanarquistas.noblogs.org