Julho 3, 2021
Do Uniao Popular Anarquista
351 visualizações


Editorial

É com satisfação que lançamos a quarta edição da revista Via Combativa! A temática da questão nacional e anticolonial sempre permeou as reflexões e esforços teórico-políticos de nossa organização socialista revolucionária. Agora, temos a oportunidade de apresentar algumas sistematizações importantes em termos de pesquisa teórica, política e histórica.

O objetivo principal desta edição é apresentar as bases históricas e teóricas do anticolonialismo e do anti-imperialismo no anarquismo e avançar na aplicação do materialismo sociológico e da dialética serial à realidade brasileira e mundial. Importante ressaltar que tais esforços ganharam um corpo teórico-político importante a partir do nosso VII Congresso Nacional em 2019, cujas Resoluções podem ser lidas como complemento a esta 4ª edição.

Porém, ainda há muito a se fazer. Para nós, reconhecer a existência de uma base teórica e política do anarquismo não é um chamado ao comodismo, de que basta repetir ou aplicar o que foi dito por Bakunin ou outros anarquistas. Ao contrário. Reconhecê-la de forma honesta e coerente significa assumir a responsabilidade de seguir desenvolvendo-a, debatendo, avançando, lutando.

Mas retomar as bases bakuninistas é uma necessidade histórica que não podemos nos furtar para “estar na moda” ou sermos aceitos na academia e no senso comum. Não partiremos do zero nem tomaremos como base outras teorias que não explicam a realidade e muito menos servem à revolução integral.

Vemos que a negação ou menosprezo da teoria anarquista sobre a questão nacional e anticolonial tem sido um caminho tragicamente escolhido na história. Essa negação é quase sempre uma consequência da ignorância ou do oportunismo, além de todas as repressões ao anarquismo pelos poderes-saberes dominantes. Por isso negamos o ecletismo e o revisionismo no anarquismo e seguimos apresentando em nossa caminhada os acúmulos de um trabalho que, entre outros objetivos, busca provar suas mentiras e deturpações.

Os frutos das nossas escolhas têm sido colhidos, aos poucos e com paciência. Em termos teóricos, são diversas teses que defendemos e seguimos desenvolvendo: da origem do anarquismo e sua filosofia materialista e dialética, da revolução integral, do capitalismo brasileiro, do sistema imperialista-colonialista, sobre o sindicalismo revolucionário, do levante popular de junho de 2013, dentre outras.

Nessa quarta edição da Via Combativa apresentamos cinco artigos que marcam a nossa preocupação. Há uma articulação teórico-programática entre os artigos. Os textos Anarquismo e questão nacional e Terra e liberdade formam uma continuidade de recuperação da teoria bakuninista sobre a questão nacional a anticolonial, indicando as linhas gerais da leitura de mundo para a intervenção política.

O texto O sistema das contradições econômicas realiza uma aplicação da teoria bakuninista na interpretação do desenvolvimento global do capitalismo, fazendo a crítica do desenvolvimentismo e do estatismo, por fim afirmando a necessidade da revolução integral.

Os textos Feminismo imperial ou mutualidade feminina e A luta do povo negro e a emancipação da classe trabalhadora abordam como imperialismo e colonialismo operam a dominação de classe, sexual e racial, especialmente no Brasil, indicando as linhas atuais de combate.

Através da Via Combativa, a UNIPA espera contribuir para a Unidade de todas as frações da classe trabalhadora brasileira rumo a emancipação. Neste 2021, também comemoramos os 150 anos de uma das mais importantes experiências revolucionárias do proletariado: a Comuna de Paris. Um episódio que nos chama a responsabilidade política e ensinamentos teóricos fundamentais: combater a conciliação de classes, defender a indissociação entre a revolução social e a guerra de libertação nacional, construir o protagonismo estratégico das frações camponesas e do proletariado marginal na luta de classes.

Que o conteúdo desta revista ultrapasse suas meras linhas escritas e se materialize em fatos e ações na luta e organização popular! Que a via combativa nos anime de corpo e alma!

Patriotas de todas as pátrias oprimidas!

Morte ao Estado-nacional e ao capitalismo!



Sumário:

  • Anarquismo e questão nacional: teoria e programa da federação dos povos
  • Terra e liberdade: as raízes anticoloniais do anarquismo
  • O sistema das contradições econômicas: dos Impérios Coloniais aos Impérios Globais
  • Feminismo imperial ou mutualidade feminina: A diversidade como arma de dominação e a necessária luta mutualista das mulheres do povo
  • A luta do povo negro e a emancipação da classe trabalhadora



Fonte: Uniaoanarquista.wordpress.com