Junho 3, 2021
Do Passa Palavra
408 visualizações


Por Anônimos

Paranoia e fatalismo

A paranoia e a proliferação de teorias conspiratórias são parte integrante de nossa atmosfera política contemporânea. Se a polícia e os políticos não podem reprimir um movimento antes ou no momento, eles provavelmente tentarão dividi-lo depois do fato, semeando desconfiança entre os atores, atribuindo intenções maliciosas aos responsáveis. A polícia de Minneapolis tem adotado esta estratégia, tentando, uma e outra vez, colocar os atos mais significativos da revolta como de “supremacistas brancos”.

Nem mesmo os participantes da ocupação do Wendy’s eram imunes a este tipo de teorias conspiratórias. Assim, em dado momento, as pessoas concordaram que os atiradores que atacaram o acampamento em 5 de julho eram “russos” enviados para provocar o movimento. Durante grande parte do tempo, muitas pessoas pensaram que também éramos agitadores externos. É de se esperar que os negros desconfiem das intenções de um grupo com vários brancos que vieram para o Wendy’s. Não esperamos que esta desconfiança seja superada imediatamente. Mas à medida que a liderança se tornou cada vez mais paranóica, tornou-se cada vez mais difícil para o nosso grupo fazer qualquer coisa. Assim, o alimento que trouxemos para a ocupação na tentativa de acrescentar um elemento agregador à luta foi considerado “contaminado” e não podia ser comido. Em outro caso, uma estrutura de bambu foi construída para criar uma cobertura pluvial improvisada, já que havia pouco ou nada em termos de proteção confiável contra as chuvas de verão. Após completar a estrutura, ela foi (quase certamente intencionalmente) quebrada por uma desconfiança em relação às nossas intenções de demonstrar solidariedade. E, finalmente, os superiores estavam absolutamente certos de que o KKK viria ao Wendy’s no dia 4 de julho e começaria a atirar nas pessoas. Alguns participantes nos haviam perguntado se nos ofereceríamos para nos infiltrar no KKK; nós lhes garantimos que, se fosse realmente verdade que eles viriam, provavelmente saberíamos sobre isso. Infelizmente, eles não nos ouviram de fato. Como resultado, em 4 de julho, eles decidiram chamar o apoio da NFAC (Not Fucking Around Coalition), uma milícia negra.

Enquanto a paranoia decorre da incapacidade de confiar nas boas intenções de outros agentes (“externos”), o fatalismo é causado por uma incapacidade de confiar num resultado desejável da luta em geral. Em termos simples, por fatalismo quero dizer a condição de lutar com muita determinação, mas sem esperança. Acompanhando todos os movimentos que vêm e vão, não se pode deixar de ficar preocupado ao ouvir os jovens dizerem “Estou pronto para morrer por esta merda”. Era o tipo de coisa que ouvíamos com frequência da boca desses jovens negros, armados até os dentes e falando sobre defender um estacionamento que continha pouco mais do que um prédio demolido. Claro que, em alguns aspectos, o espaço é simbólico, já que foi o local de um assassinato cometido pela polícia. Por outro lado, a incapacidade de desprender-se deste sentimento é, em si mesma, letal. O fatalismo não é um erro em nome de ninguém. Ao contrário, ele parece ser mais uma condição de revoltas emergentes induzidas por uma falta de clareza em torno do horizonte político final dos movimentos revolucionários em geral, e além disso, o horizonte sombrio de nossa espécie como um todo. Se não estamos apenas lutando por negociações (e eu espero que uma grande parte do movimento queira muito mais do que isso), e se não houver mais uma percepção compartilhada do significado da revolução, então também não está claro como poderia ser a vitória além de queimar delegacias de polícia. Também não estou dizendo que a militância audaz é algo que necessita de correção estratégica por parte de especialistas revolucionários mais “racionais”. De fato, quase parece que são justamente essas expectativas estratégicas, herdadas do século XX, que causam disforia entre os especialistas mais experientes. Entretanto, o problema permanece: sem uma sensibilidade compartilhada em torno de seus objetivos revolucionários finais, as revoltas correm o risco de adotar uma estratégia de escalada exponencial do conflito que pode levar apenas à repressão ou ao esgotamento.

Wendy's: luta armada no fim do mundo (2)

Esta mentalidade fatalista é reconhecível para qualquer pessoa familiarizada com o problema do sujeito dito combativo ou militante, ambos empreendendo proezas cada vez maiores com retornos decrescentes. Muitos vanguardistas também enfrentaram este problema: eles continuaram protestando manifestação após manifestação, nunca satisfeitos com o que haviam conseguido, já que isso não resultou na queima de uma delegacia de polícia ou algo como uma revolução. Isto não só criou condições para os tornarem alvos de repressão, mas também lhes deu uma sensação de desespero, o que significa que não sabem quando é hora de se desligar das batalhas de rua, o que, por sua vez, os faz sentir-se desapontados ou desanimados com a luta. Se não formos capazes de nos desprender de um modo específico de conflito em tempo hábil, corremos o risco de ficar presos em batalhas simétricas com o Estado que são em grande parte reativas ou vingativas. Em sua autobiografia Bad, James Carr, um lendário fora-da-lei e rebelde prisional conhecido por sua camaradagem com George Jackson, criticou a famosa ideologia guerrilheira que fazia parte tanto da organização carcerária quanto do radicalismo negro no início dos anos 60: “Percebi que, como militante, eu estaria sempre à mercê de atos arbitrários. Os militantes e o Esquadrão Tático [força antimotim] vivem simbioticamente, pois os esquerdistas falam na língua que os capangas podem entender: a resolução puramente militar das relações de poder”. Ele continuou: “Eu vi que todas as alternativas que eu tinha estabelecido para mim mesmo eram reacionárias, pois eram apenas respostas diretas aos crimes cometidos pelo Estado”. Os termos, o terreno e as armas da minha luta passada haviam sido ditados pelo meu inimigo. Isto aumentou minha raiva, mas também aumentou minha vontade de entrar em combate de tal forma que eu não podia vencer“.

A ação política em nosso momento atual estará caracterizada pela paranoia e pelo fatalismo – e uma estratégia revolucionária deve encontrar um caminho para além destas limitações. Tanto a paranoia quanto o fatalismo nascem de uma situação paradoxal de incapacidade de encontrar uma ação significativa fora do atual conflito e uma incapacidade de colocar fé num processo coletivo de emancipação. A questão essencial continua sendo como superar a confusão causada pela desinformação, pela paranoia e pelo fatalismo e impedir que a luta se esgote internamente. Por um lado, os partidários devem combater ativamente a disseminação de desinformação, sendo os primeiros a criar uma infraestrutura de comunicação que permita às pessoas verificar informações e discutir planos e ideias de forma descentralizada. Além disso, devem descobrir maneiras significativas de proporcionar clareza em torno de objetivos revolucionários que são imanentes ao próprio movimento, o que ajudará a evitar que as pessoas lutem em batalhas desesperadas que não podem vencer.

Como podemos nos envolver em conflitos onde os participantes perdem tão facilmente o contato com a realidade da situação, mas ao mesmo tempo estão dispostos a arriscar suas vidas para as mesmas situações, tudo sem a possibilidade de vitória? O problema do fatalismo remonta à questão da liderança: historicamente, tem sido o papel do partido intervir e liderar os proletários a partir de lutas desesperadas e sem saída e para uma trajetória histórica que terminaria em vitória. Mas hoje não podemos apostar em qualquer grupo, partido, organização, tendência ou qualquer coisa semelhante que possa dar coesão ao movimento, mesmo a posteriori.

É dia 4 de julho. Uma confraternização é organizada no Wendy’s. Pela primeira vez desde o tiroteio de 19 de junho, o espaço está aberto. Isso significa que qualquer pessoa é bem vinda. Isto era o que tínhamos pensado que deveria acontecer o tempo todo. Centenas de pessoas entram no espaço que não tinha estado antes. Há idosos e crianças, pessoas que vêm ao Wendy’s que viajaram por todo o país para se manifestarem. Há toneladas de comida, uma tenda de DJs com pessoas dançando, pessoas bebendo o dia inteiro, blunts [cigarros de maconha] passando entre as pessoas, é o ponto alto do movimento, todos estão juntos. Alguns ativistas montaram um circo de “treinamento de educação política”, felizmente eles foram rapidamente levados para a parte de trás do estacionamento onde ninguém podia ouvi-los ou vê-los, já que não poderiam ter ficado mais fora de sintonia com a sensação que eles haviam planejado. Apesar disso, estou feliz por eles terem estado lá. Acima de tudo, precisamos de um número diversificado de grupos para estar no espaço. Enquanto isso, outros pintaram murais do outro lado do edifício. Finalmente, o espaço parece ser uma zona autônoma. Há ideias diferentes quanto ao que as pessoas deveriam estar fazendo, ninguém está dominando o espaço ou discordando por discordar, e os diversos elementos presentes se tornam uma fonte de força em vez de uma fonte de confusão. Esta dinâmica é o que chamamos de composição do movimento e, neste momento, a zona é invencível.

De repente, algo muda. Sem aviso prévio, um grupo de cerca de 200 pessoas vestidas todas de preto e armadas até os dentes aparece e marcha através do Wendy’s em uma formação de tipo militar. É uma milícia só de negros. O gesto inspira admiração em todos os presentes – agora que ninguém iria foder com o espaço. Mas algo estranho acontece. Depois de posar para uma foto na frente do prédio, a maioria deles se vira e sai. São especialistas que nunca estiveram no espaço, que literalmente se encaixariam como agitadores externos, mesmo que fossem negros. O clima muda. “Uma nuvem atravessa o céu e bloqueia o sol”.

Wendy's: luta armada no fim do mundo (2)

Quatro horas depois, é noite e eu nunca estive tão feliz com a ocupação. O estacionamento de um antigo restaurante de fast-food se abre como um vislumbre do paraíso. Estamos comendo comida que alguém cozinhou, esperando que os fogos de artifício comecem a explodir, um pouco cansados dos fumos e do sol. Noto que eles começam a bloquear as ruas novamente, o que não faziam desde que a polícia roubou suas barricadas três semanas antes. São necessários três caras com armas longas para bloquear uma faixa da estrada, já que só há uma lata de lixo como barricada. Vou para casa para me trocar e me preparar para a noite, já que há uma marcha em outra parte da cidade mais tarde. Quando volto, cerca de uma hora depois, estou pronto para me preparar para a ação. Bebi um Gatorade e depois estava pronto para tudo. Noto o mesmo problema que antes – eles precisam de barricadas reais para bloquear a estrada.

* * *

Quando as balas começam a voar, perco todo o senso de orientação. Agarro minha melhor amiga e puxo-a comigo para o chão e atrás de um carro, seguro-a de perto, e quando os tiros param por um momento corremos abaixados ao chão em direção ao fundo do estacionamento. Alguém abre a porta de seu carro para nós e nós entramos, entramos e nos abaixamos. Aqui não estamos seguros. Gritos horripilantes soam, eu vejo tiros disparados e devolvidos. Alguém está gritando “QUALQUER UM QUE ATIRAR NAQUELE HOMEM NEGRO VAI MORRER”. Estamos procurando nosso pessoal, tentando descobrir para onde eles foram, incertos se devemos partir ou ficar. A mesma voz soa “SE VOCÊ NÃO TIVER UM RIFLE OU UMA ESPINGARDA, SAIA AGORA. SE VOCÊ NÃO TIVER UM RIFLE OU UMA ESPINGARDA, SAIA AGORA”. Ok, está claro. Tentamos descobrir uma saída. Lembro que alguém foi expulso da ocupação do Wendy’s por ter cortado um buraco na cerca do lote vizinho, e é assim que conseguimos nossa saída. Não sei se o garoto que cortou o buraco naquela cerca sabia que sua travessura um dia salvaria vidas, mas é exatamente o que ocorreu naquele momento. Saímos para o lote vizinho, saltamos algumas cercas, corremos para casa. São 21h, há uma marcha que começa em breve. Temos menos de uma hora para descompactar e levar tudo para dentro antes de chegarmos novamente às ruas. Ainda estamos tontos do que acabou de acontecer, mas a adrenalina nos mantém em uma aventura noturna. No dia seguinte ouvimos que uma menina chamada Secoria Turner havia sido baleada no fogo cruzado de uma disputa que havia irrompido nos bloqueios. Só depois de semanas é que me darei conta de como o que aconteceu naquela noite tinha me marcado.

O artigo em questão foi publicado originalmente em novembro de 2020 e sua tradução, realizada pelo Passa Palavra, será publicado em três partes. Sua versão em inglês pode ser lida aqui.

As fotos que ilustram este artigo são das lutas entre os boxeadores Mike Tyson e Evander Holyfield, ocorridas em 1996 e 1997.




Fonte: Passapalavra.info